Supercomputador Watson, da IBM, vai aprender a 'falar' japonês

Por Redação | 10 de Fevereiro de 2015 às 18h12
TUDO SOBRE

IBM

A SoftBank, empresa japonesa de telecomunicações, está viabilizando a chegada do supercomputador Watson da IBM para o Japão. De acordo com informações do The New York Times, a IBM fez uma parceria com a SoftBank para ensinar japonês para o Watson, além de desenvolver tecnologias para a próxima geração de robótica inteligente.

Criado em 2007 por cerca de 30 cientistas, o Watson é um supercomputador desenvolvido inicialmente para diagnósticos clínicos. Em 2011, ele venceu os dois melhores jogadores humanos do programa Jeopardy, um game show da TV dos EUA. No ano passado, o supercomputador foi utilizado no New York Genome Center, nos Estados Unidos, para ajudar no tratamento personalizado a pacientes com câncer no cérebro.

A parceria entre a IBM e a SoftBank parece ter potencial para oferecer um ganho real para ambas as empresas. A companhia japonesa ajudará a IBM criar capacidades cognitivas dentro de um conjunto de dados ainda maior. A IBM vê o acordo como uma porta de entrada para um novo mercado. "Isso nos ajudará a acelerar e promover o uso de tecnologias cognitivas em novas partes do mundo", afirmou Stephen Ouro, vice-presidente de Watson Group da IBM, ao NYT.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Uma subsidiária da SoftBank irá distribuir a tecnologia da IBM no Japão, além de recrutar desenvolvedores para criar novos recursos e produtos com a tecnologia. A empresa acredita que, ao falar japonês, o Watson pode auxiliar na criação de um "novo valor no mercado japonês", segundo afirmou um porta-voz da SoftBank ao NYT. Ele ainda acrescentou que o supercomputador pode ajudar "a diferenciar as ofertas de produtos da empresa entre as concorrentes no setor de telecomunicações".

Se ambas as empresas obterem sucesso na construção de capacidades cognitivas para a próxima geração de robôs, novas oportunidades poderiam ser criadas para terem robôs em indústrias mais favoráveis aos consumidores, tais como atendimento ao cliente ou no setor de saúde.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.