IBM desenvolve chip que imita o processamento de dados do cérebro humano

Por Redação | 08 de Agosto de 2014 às 14h24

A IBM anunciou ontem (07) o que mais se aproxima de um chip estruturado de acordo com o cérebro humano. O dispositivo possui um milhão de "neurônios", 256 milhões de sinapses e 4.096 núcleos, com 5,4 bilhões de transistores. O TrueNorth possui o tamanho de um selo postal e é o maior chip da IBM construído.

O responsável pelo desenvolvimento do projeto é o engenheiro Dharmendra S. Modha. Ele explicou para a Forbes que o chip é inspirado na estrutura do cérebro humano, mas de forma simplificada. Mesmo assim, ainda apresenta diversas vantagens sobre os computadores atuais. O gasto de energia também é mínimo – 63mW, menos que um aparelho auditivo.

A pesquisa publicada na revista Science afirma que o novo chip é escalável, o que significa dizer que é possível construir redes neurais maiores conectando vários chips. Em 2011 um primeiro chip foi construído, mas possuindo apenas um núcleo. Já o atual possui 4.096 núcleos.

No chip, cada núcleo opera como uma arquitetura neural simplificada. Cada um deles possui 256 “neurônios” (processadores), 256 “axônios” (memória) e 64.000 “sinapses” (comunicação entre os neurônios e axônios). Importante lembrar que o cérebro humano possui 86 bilhões de neurônios no sistema nervoso, contra um milhão do sistema da IBM.

IBM chip

O projeto teve início em 2008 com investimento da IBM em diversas universidades, e um financiamento de US$ 53 milhões da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA). O primeiro chip foi desenvolvido em 2011 e, em 2013, uma linguagem de programação própria e um kit de desenvolvimento foram lançados.

O objetivo do chip é que ele complemente os atuais computadores para aumentar sua capacidade de processamento, sem no entanto substituí-los. O SyNAPSE é capaz de encontrar padrões que os atuais computadores não conseguem processar.

Uma das aplicações possíveis com o chip é o reconhecimento de dados sensoriais em tempo real. Uma das vantagens do reconhecimento de padrões é que o chip processa os dados sequencialmente, permitindo um processamento paralelo. Em um reconhecimento facial, por exemplo, um núcleo do chip estaria focado no formato do nariz, outro na cor dos olhos, outro no cabelo. Cada núcleo individualmente é mais lento que os processadores tradicionais, mas trabalhando simultaneamente e em paralelo, eles teriam uma capacidade de realizar este tipo de operação de forma mais rápida e precisa.

Outra aplicação para a tecnologia é o uso de câmeras para identificar automaticamente itens interessantes em ambientes desordenados, além dos pesquisadores acreditarem que o chip seja útil para o processamento de linguagem natural, sendo capaz de analisar e obedecer comandos de pessoas.

IBM chp

Mais de 200 programas já foram desenvolvidos para o chip por meio de uma simulação da arquitetura rodada em supercomputadores. Com a simulação, a IBM pôde desenvolver uma linguagem de programação específica para o chip mesmo antes de ele ser finalizado.

Para o professor Tobi Delbrück, do Institute of Neuroinformatics em Zurique, ainda é cedo para determinar quem ganhará a corrida para colocar em prática chips que imitem o funcionamento do cérebro, mas o dispositivo da IBM é um forte candidato nessa disputa.

Para preparar o mercado para o desenvolvimento do hardware e software do chip, a IBM desenvolveu um programa de ensino sobre a tecnologia para universidades, clientes, funcionários e outros públicos.

O próximo desafio de Modha é desenvolver o que ele chama de “supercomputador neurosynaptic”, um supercomputador que usaria chips tradicionais e sinapses para formar o lado “direito e esquerdo do cérebro”, onde seria possível processar números e rapidamente analisar padrões em tempo real.

Fonte: http://www.forbes.com/sites/alexknapp/2014/08/07/ibm-builds-a-scalable-computer-chip-inspired-by-the-brain/http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2014/08/ibm-cria-chip-mais-proximo-cerebro-humano-com-um-milhao-de-neuronios.html

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.