Hugo Barra: 'Xiaomi não está copiando a Apple'

Por Redação | 22 de Julho de 2014 às 14h48

Os mais ligados no mundo da tecnologia certamente já ouviram falar que a gigante chinesa Xiaomi é a Apple da China. Mas, será por quê? As coincidências começam no palco, com o CEO Lei Jun, que anuncia os próprios produtos da empresa usando uma calça jeans, tênis e blusa preta, em um formato de apresentação muito familiar. Qualquer semelhança com a Apple é mera coincidência? Hugo Barra, o brasileiro que se tornou vice-presidente global da chinesa, garante que sim.

Apesar de reconhecer que o formato de apresentação adotado por Steve Jobs enquanto CEO da Maçã pode ter inspirado Jun durante as apresentações da Xiaomi, Barra é enfático ao defender que a empresa não copia os produtos da Apple, dizendo que "nós não somos os únicos a adotar o estilo de apresentação de Steve Jobs. Todo mundo faz isso".

De acordo com o The Verge, Barra fez questão de esclarecer alguns pontos que levam o público a acreditar que a Xiaomi está copiando a Maçã: para ele, a gigante chinesa é "uma empresa extremamente inovadora". E a alegação foi feita hoje durante um evento da Xiaomi em Pequim, que apresentou a nova pulseira inteligente Mi Band, gadget que faz par com o smartphone Mi 4 (que roda Android). Já cheio de ouvir especulações e comentários que comparam as duas empresas, Barra declarou: "Estou cansado de ouvir as pessoas fazerem declarações sensacionalistas, porque elas não têm nada melhor para falar".

Xiaomi Mi 4

Há quem duvide das palavras do brasileiro. Afinal, o design dos produtos da Xiaomi, querendo ou não, lembra bastante o dos gadgets da norte-americana. Um exemplo é o próprio smartphone Mi 4, que é muito parecido com o iPhone em suas bordas. Já o tablet Mi Pad conta com tamanho e resolução iguais às do iPad Mini com tela Retina. O argumento de Barra para explicar as semelhanças é curto e grosso: "Se você tem dois designers similarmente qualificados, faz sentido que eles cheguem à mesma conclusão".

Concorrência

A Xiaomi representa alguma ameaça para a Apple? Bem, no que tange o mercado competitivo mundial, ainda não. A chinesa, segundo o vice-presidente, está mantendo seu foco na Índia e acredita que os Estados Unidos são "um campo de batalha altamente competitivo". Ponderado, Barra revela: "temos de escolher nossas batalhas. Um passo de cada vez. Um país de cada vez".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.