Home Office para operadores: uma realidade possível

Por Colaborador externo | 01.09.2014 às 14:31
photo_camera Divulgação

* Por Ariane Abreu

Quem nunca sonhou em trabalhar de pijama e chinelo, sem pegar trânsito nenhum e, ainda por cima, se alimentar com uma comidinha caseira? Bem, a descrição para o seu “trabalho em casa” pode não ser exatamente essa. Porém, o home office já é uma realidade possível para milhares de trabalhadores brasileiros, inclusive os operadores de telemarketing.

A aceitação por parte das empresas no país é notável: cerca de 14% têm programas formais desse tipo. Parece pouco se comparado a países no exterior, mas no ano passado, eram apenas 6%. Olhem pelo lado da corporação: ela economiza em vale transporte e alimentação, além de provavelmente aumentar a produtividade do colaborador por não chegar no escritório já estressado com o trânsito caótico das grandes cidades.

Para o agente, as vantagens também são interessantes. Além de poder exercer suas atividades de maneira confortável, ganha-se em qualidade de vida, um dos fatores mais valorizados pela Geração Y. Agora fica sempre aquela dúvida: será que eles estão mesmo trabalhando?

A solução é simples: metas devem ser estabelecidas de antemão. Para encontrar a disciplina e o foco, o atendente precisa contar com um local organizado e silencioso. Caso queira, a companhia também pode optar por realizar a gravação de voz e tela. Além de fazer o acompanhamento das atividades do funcionário para um feedback mais assertivo, ela ganha também em segurança jurídica.

Seja em casa ou no ambiente corporativo, o importante é motivar a sua equipe para alcançar os melhores resultados. Já reparou quando perguntou pela última vez se o seu operador estava bem e precisava de alguma coisa? Pense nisso!

* Ariane Abreu é Diretora Comercial da Total IP