HP está desenvolvendo tecnologia 3D sem óculos para dispositivos móveis

Por Redação | 22.03.2013 às 14:30

A Hewlett-Packard (HP) tem trabalhado duro na criação de tecnologias 3D para dispositivos móveis que dispensem o uso de óculos para enxergar as imagens em terceira dimensão.

Pesquisadores da HP disseram ao jornal científico Nature que esse tipo de tecnologia pode transformar a visualização de dados, treinamento médico e o entretenimento. O efeito seria "mais parecido com o que você viu no filme 'Star Wars' com o holograma da Princesa Leia", explica um dos autores do estudo, David Fattal, isso porque a tecnologia pode ser visualizada de até cerca de 200 pontos de vista diferentes, possibilitando que mais de uma pessoa veja a imagem 3D ao mesmo tempo.

Holograma Princesa Leia

Em vez da projeção do holograma, a exibição 3D será feita na própria tela do aparelho, mas a difusão da luz permitirá que seja visualizada de vários pontos de vista diferentes (Imagem: Internet)

De qualquer forma, criar tecnologia 3D para dispositivos móveis é bem diferente de fazê-lo para filmes. De acordo com as informações da Nature, apesar da comparação com o holograma, essa tecnologia funciona de uma maneira diferente.

A tecnologia usa vários truques ópticos e geométricos para criar as imagens 3D. Minúsculas ranhuras circulares também são gravadas na superfície do dispositivo, e elas salientam diferentes pontos de vista e cores. O que é criado é um amplo ângulo de visão de modo que os usuários podem ver uma imagem em 3D, mesmo com inclinação e movimento da tela.

Várias companhias têm trabalhado ao longo dos últimos anos para criar tecnologias 3D que dispensem o uso dos óculos. O resultado mais conhecido é o Nintendo 3DS, o console portátil que traz imagens tridimensionais dos games, mas desde que os jogadores olhem diretamente para a tela, sem se mover.

A nova tecnologia da HP, no entanto, dá mais liberdade aos usuários e permite que eles vejam as imagens "em uma zona de visão sem precedentes de 90 graus". Mas vale ressaltar que essa novidade não funcionaria para conteúdos de vídeo ao vivo, já que seriam necessárias pelo menos 64 câmeras capturando tudo ao mesmo tempo.