HP apresenta primeiro resultado positivo em quase 2 anos

Por Redação | 24.02.2014 às 09:20

A HP vem enfrentando problemas no seu negócio de PCs já há algum tempo, principalmente devido à forte concorrência da Lenovo. Mas, na semana passada, a empresa apresentou sua primeira melhora nos números, revertendo uma queda que já ocorria há quase 2 anos.

A companhia foi a maior fabricante mundial de PCs por unidades vendidas de 2007 até 2012, porém em 2013 a Lenovo assumiu a liderança ao atingir 16,9% de participação no mercado, contra 16,2% da norte-americana.

A queda nas vendas mundiais de PCs também afetou a companhia consideravelmente. De 2011 para 2012, as vendas cairam 3,5%, e de 2013 para o ano passado, cairam impressionantes 10% - a maior queda da história da indústria, acendendo a luz vermelha das empresas.

Mas, no último trimestre fiscal, a empresa pode ver uma luz no fim do túnel, pois sua receita, apesar de menor do que a do ano anterior, foi maior do que o esperado por analistas.

A divisão de PCs teve uma alta de 4%, rendendo à empresa US$ 8,53 bilhões. Outra divisão que apresentou alta foi a corporativa, que vende servidores e equipamentos de rede e armazenamento para data centers, que teve alta de 1%, com vendas de US$ 6,99 bilhões. Porém, seu carro-chefe de lucro, a divisão de impressoras, teve queda de 2% na receita, ficando com US$ 5,8 bilhões.

No ramo de PCs, as vendas corporativas aumentaram 8%, compensando uma queda nas vendas para consumidores comuns. Em números totais, as vendas aumentaram 4% em relação ao ano anterior.

Os números são interessantes pois, segundo alguns analistas, podem indicar uma mudança nos rumos da empresa e levá-la de volta ao topo. "Hoje estamos em uma posição mais forte do que estivemos recentemente, porém ainda não é hora de comemorar vitória. Mas nosso resultado representa um grande progresso" afirmou à PC World a CEO da empresa, Meg Whitman, que há um bom tempo tenta colocar a companhia de volta nos trilhos.

Os problemas da empresa começaram há alguns anos, quando ela não conseguiu obter sucesso numa tentativa de entrada no mercado de smartphones e tablets, ficando de fora desse nicho extremamente lucrativo. Além disso, a queda generalizada na venda de PCs só piora a situação. Apesar de tudo isso, esses novos resultados sugerem que a nova Whitman está levando a companhia rumoa à recuperação.