Google vai recomeçar projeto de drones para entregas

Por Redação | 18.03.2015 às 12:43

Um fracasso que pode ter custado alguns milhões de dólares para o Google foi encarado com positividade pela empresa. Durante uma palestra sobre drones no evento SXSW, que está acontecendo nesta semana em Austin, nos Estados Unidos, a empresa anunciou que está reiniciando do zero o Project Wing, braço de sua iniciativa com drones voltada para a realização de entregas de produtos em áreas de alta densidade populacional.

De acordo com a empresa, após diversos problemas de desenvolvimento e operação, o projeto atual foi descartado e será completamente reiniciado. Recusando-se a admitir um fracasso, porém, o Google exaltou o lado bom da decisão: ela permite que os engenheiros envolvidos trabalhem em designs completamente novos e inovações para o voo das aeronaves não-tripuladas, contribuindo não apenas para o sucesso do Project Wing mas também levando adiante todo o ecossistema dos drones.

O modelo descartado utilizava uma única asa, com 1,5m de envergadura. A ideia era que a aeronave utilizasse turbinas para levantar voo verticalmente, sem a necessidade de uma extensa pista de decolagem, facilitando muito sua utilização em áreas urbanas. Depois, como uma forma de economizar combustível e também reduzir o peso do equipamento, ele manteria o voo quase como um planador, utilizando o motor mais uma vez para pouso.

Os problemas, porém, aconteceram em situações com muito vento, seja durante o voo normal ou em mudanças de atitude. Acoplado com a carga, o Project Wing se mostrou pouco controlável nesse tipo de circunstância, com alterações até mesmo em seu centro de gravidade e grande possibilidade de quedas e acidentes. Sendo assim, se tornou pouco confiável para uso em entregas, o que acabou levando a seu descarte.

Os experimentos aconteceram na Austrália, onde os drones foram usados para carregar vacinas, água e rádios de comunicação para fazendeiros e residentes de áreas isoladas. Essa seria apenas uma das utilizações possíveis já que, segundo o Google, a tecnologia criada poderia ser versátil o suficiente para uma ampla gama de utilizações. Agora, porém, todos estão de volta à prancheta para garantir que esse ideal realmente seja alcançado.

De acordo com as informações do Wall Street Journal, porém, o único detalhe revelado sobre o novo modelo do Project Wing é que ele deixará de lado a utilização de uma asa única. Agora, a ideia é investir em outro sistema que pode levar pelo menos um ano para ser concluído, e muito mais tempo até vermos algum tipo de utilização prática e popularizada deles. Parece que o sonho de entregas de compras online no mesmo dia ainda está longe de se concretizar.