Google domina mercado de cloud computing para pequenas e médias empresas

Por Redação | 04 de Agosto de 2014 às 16h20
photo_camera Divulgação

Uma pesquisa realizada pelo site Quartz revelou o balanço de forças entre Google e Microsoft no que toca a utilização de seus serviços de cloud computing. E o resultado é exatamente aquele que todos já devem imaginar: enquanto a fabricante do Windows é líder entre as grandes empresas, companhias pequenas ainda preferem as soluções mais baratas da rival, muitas vezes utilizando até mesmo serviços gratuitos e soluções padronizadas para celulares e computadores.

É um movimento que fica cada vez mais evidente, principalmente no mercado americano, e acaba se tornando uma pedra no sapato da Microsoft. Afinal de contas, o sucesso entre empresas menores pode também acabar chamando a atenção das maiores, resultando em ainda mais perda de mercado. 150 empresas de três quesitos distintos foram avaliadas de acordo com seus registros de emails e os resultados foram os seguintes:

Entre as 50 maiores empresas dos EUA, de acordo com a revista Fortune, apenas uma – ela própria – utiliza emails do Google. A coisa muda de figura, porém, entre as médias companhias dos ramos da tecnologia e mídia, em que a gigante das buscas tem uma parcela de 60% do mercado. Aqui se encaixam empresas como Twitter, Dropbox, Square, Uber e Airbnb, por exemplo.

No campo das startups, porém, o Google domina completamente o mercado. 92% das companhias pequenas utilizam os serviços da empresa, muitas vezes suas opções gratuitas, e provavelmente não hesitariam em pagar um pouco para continuar com as plataformas com que já estão acostumados caso isso fosse necessário.

E é aí que está o grande desafio da Microsoft. O Google está roubando o que poderiam ser considerados como futuros clientes da empresa, empresas que estão nascendo agora, mas que, logo mais, estarão contribuindo para o extremamente lucrativo mercado corporativo, que em 2014, deve chegar a US$ 5 bilhões. O domínio da gigante das buscas ainda é pequeno, mas a presença, desde já, nas médias e pequenas corporações pode se tornar extremamente lucrativa no futuro.

O preço também é um fator a se levar em conta. Hoje, 90% das receitas do Google são oriundas de anúncios, o que permite que a empresa se dê ao luxo de cobrar muito pouco por seus outros serviços. Enquanto isso, a Microsoft continua apostando em grandiosos contratos corporativos e focados nas grandes empresas. A diferença é que, cada vez mais, o pequeno está crescendo e ficando de fora desse tipo de visão.

É um movimento que a Microsoft já consegue observar em seus números. Apesar de ter revelado um crescimento de mais de 100% no último trimestre nos produtos da linha Office 365, os licenciamentos de softwares e outras soluções para corporações não caiu, mas também não cresceu, um sinal de que a estagnação está por perto e pode, bem em breve, se tornar um problema.

Além disso, o Quartz aponta a questão da concorrência cada vez maior, à medida que empresas menores, mas já conceituadas, como Box e Dropbox, também começam a inserir suas soluções no mercado. O Mailbox, cliente de emails na nuvem, é apenas um exemplo da entrada cada vez maior de empresas menores nesse mercado corporativo, um fator que pode acabar tendo seus efeitos negativos para a Microsoft. Aqui, porém, temos o único caso no qual o Google também acaba sendo afetado.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.