Google começa a perder presença nas buscas mobile

Por Redação | 06 de Junho de 2014 às 12h43

O Google não é conhecido como “gigante das buscas” por acaso. A empresa domina esse segmento tanto nos computadores quanto no mundo mobile, mas parece que, pelo menos nos celulares, esse domínio pode estar chegando ao fim. De acordo com dados da eMarketer, houve uma redução de mais de 14% no número de usuários de tal serviço em 2013.

Para a consultoria, o grande responsável por essa redução são as soluções da concorrência, que cada vez mais aparecem embarcadas em aplicativos e navegadores móveis. Esse movimento resultou em uma redução nos números do Google, que dominava 82,2% do mercado em 2012 e, no ano seguinte, caiu para 68,5%. Ainda são números gigantescos, mas que já podem ser vistos como um sinal de problemas para a empresa.

Apenas no mundo dos navegadores para celulares e tablets o Google está tranquilo, mantendo mais de 80% do domínio das buscas realizadas nesse tipo de aplicativo. No restante das aplicações, porém, há um crescimento cada vez maior de soluções alternativas principalmente no setor “Outros”, que congrega uma série de soluções que não estão associadas também à Microsoft e ao Yahoo!. Elas mais do que triplicaram sua participação no mercado e parecem cada vez mais famintas por números e usuários.

E é aqui que acontece o maior crescimento. A expectativa da eMarketer é que, em 2014, o market share de buscas mobile do Google tenha ainda mais uma redução e caia para 65,7%, enquanto esse conjunto de soluções pequenas alcançará impressionantes 27,3%, um total suficiente para que ele seja desmembrado de maneira um pouco melhor.

Apesar destes sinais de problemas para o Google, são os outros concorrentes que precisam se espertar um pouco mais. Com o crescimento da categoria, são soluções como o Bing e o Yahoo! Search que acabam sendo esmagadas, mantendo uma fatia cada vez menor de um mercado que já parecia estar encolhendo rápido demais para o gosto dessas empresas.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.