Ex-vice-presidente de marketing do Tinder processa empresa por assédio moral

Por Redação | 01 de Julho de 2014 às 14h27

A ex-vice-presidente de marketing do Tinder, Whitney Wolfe, afirma em uma ação movida contra a empresa nesta segunda-feira (1) em Los Angeles, que seu ex-chefe a chamou de "prostituta" em um evento da companhia na presença do CEO Sean Rad, e que seu status como co-fundadora do aplicativo foi subestimado por ser mulher. Wolfe alega ainda que ao reclamar do tratamento recebido para outros executivos, incluindo Rad, foi forçada a deixar a empresa.

De acordo com publicação da Fortune, entre os nomes incluídos como réus no processo movido por Wolfe está o de Barry Diller, presidente da IAC/InterActiveCorp, que possui 50% das ações do Tinder. Na denúncia, Wolfe afirma que seu ex-chefe, o diretor de marketing Justin Mateen, decidiu por não incluir seu nome entre os co-fundadores do Tinder em materiais de imprensa porque ter "um dos fundadores mulher" poderia desvalorizar a empresa.

Wolfe afirma que manteve com o ex-chefe um relacionamento em 2013, e que passou a ser perseguida depois de terem terminado, tendo recebido mensagens por celular e email contendo ameaças e conteúdo discriminatório de caráter sexista. Ela alega que se queixou várias vezes para o alto escalão da empresa a respeito do comportamento de Mateen, e que sempre teve seus apelos ignorados.

Mateen teria chamado Wolfe de "prostituta" na frente de Rad e outros colegas de trabalho durante um evento da empresa. Wolfe diz que chegou a oferecer sua renúncia à companhia em troca de uma indenização, mas que em vez disso foi despedida.

John Mullan, um dos advogados de Wolfe, disse em um comunicado que a cliente "perdeu o emprego simplesmente por se recusar a tomar o abuso por mais tempo".

"A IAC e a Match.com permitiram a existência dessa cultura e não fizeram nada para impedir o assédio", disse David Lowie, outro dos advogados de Wolfe; e disse ainda que as duas companhias, que são responsáveis pelo Tinder, devem ser responsabilidzadas pela falha na supervisão de seus executivos.

Em resposta, a IAC disse que suspendeu Mateen depois de receber as alegações contidas na queixa de Wolfe durante uma investigação interna em curso.

A ex-vice presidente de marketing da empresa agora busca uma indenização compensatória por danos morais.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.