Ex-funcionário da Microsoft é acusado de vazar códigos de ativação do Windows RT

Por Redação | 21 de Março de 2014 às 08h51

Um ex-funcionário da Microsoft foi apontado por autoridades dos Estados Unidos como o responsável por vazar atualizações e códigos de ativação do Windows RT, a versão do sistema operacional da Microsoft específica para tablets. Alex Kibkalo teria roubado o software para se vingar após ser avaliado negativamente por um dos seus superiores no trabalho.

De acordo com informações publicadas pelo site ZDNet, o vazamento aconteceu em julho de 2012, quando Kibkalo trabalhava nos escritórios da empresa no Líbano, e teve um blog francês não identificado como principal vetor. A página já era monitorada pela Microsoft devido a vazamentos anteriores de informação e foi responsável pela publicação de capturas de tela e diversas informações sobre o, à época, vindouro sistema operacional.

O problema foi que, além disso, Kibkalo teria incentivado o responsável pelo blog a entrar em contato com hackers que poderiam utilizar um SDK do sistema para criar chaves de ativação falsas. Após isso, diversas informações do tipo foram vendidas pelo eBay e foi justamente essa prática que chamou a atenção da Microsoft, iniciando uma investigação interna.

A primeira ação tomada foi o bloqueio das contas de e-mail do blogueiro não identificado no Hotmail. Na sequência, diversas trocas de mensagens entre ele e Kibkalo foram descobertas, inclusive muitas confirmando o vazamento. O ex-funcionário confirmou as informações em entrevistas internas, que acabaram resultando em sua demissão. Na época, porém, a Microsoft preferiu não acioná-lo judicialmente.

Investigação federal

Quem acabou movendo as ações na justiça foi o próprio FBI, acionado pela companhia pouco antes da conclusão da investigação interna. O departamento continuou investigando Kibkalo e, em novas trocas de mensagens com amigos, descobriram que ele também havia sido o responsável por diversos vazamentos relacionados ao Windows 7.

Mas a coisa tomou ares realmente sérios quando a agência descobriu que ele havia, inclusive, invadido os escritórios da empresa em Redmond, nos Estados Unidos, em uma tentativa frustrada de copiar informações dos servidores de lá. A admissão de culpa foi feita em nova troca de e-mails e foi ela que motivou a prisão do russo.

O próprio FBI pondera que essa não é a atitude usual para casos desse tipo, mas devido às conexões do acusado com a Rússia, as autoridades consideraram que ele poderia fugir para evitar o processo. Kibkalo não resistiu à prisão e permanece detido enquanto aguarda julgamento. Ele trabalhava como diretor de produtos na 5nine Software, uma empresa especializada em virtualização e segurança de informações armazenadas na nuvem, que tem boa parte de suas soluções, ironicamente, baseadas na tecnologia Hyper-V, da Microsoft.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.