Estudo revela os prejuízos que a tecnologia pode causar às crianças

Por Redação | 27.08.2014 às 09:28

O avanço da tecnologia e a facilidade de acesso aos dispositivos móveis e à internet têm mudado radicalmente a forma das pessoas viverem e se relacionarem. São inúmeras as facilidades que a tecnologia traz para as nossas vidas: fazemos compras online, realizamos pesquisas escolares, interagimos gratuitamente com pessoas que estão a quilômetros de distância e tudo isso com a maior comodidade possível e sem sair de casa. As mudanças são tantas que é difícil mensurar tudo o que a tecnologia transformou e continua transformando em nosso dia a dia.

As crianças não são uma exceção a este mundo informatizado no qual estamos vivendo. Os nascidos na chamada Geração Z estão aprendendo a conviver desde muito cedo com tablets, notebooks, smartphones e, obviamente, também estão interagindo de forma diferente com o mundo. Isto tem gerado muitas discussões sobre a influência da tecnologia na infância. Muitos estudos são realizados em torno da temática e médicos, psicólogos e educadores se mostram cada vez mais preocupados sobre ela.

Diante deste cenário, o site Blue Bus divulgou um infográfico baseado em uma pesquisa realizada pela AVG Tecnologies que entrevistou 6 mil mães de 10 países, incluindo o Brasil, e revelou que dentre as crianças com idade entre 3 e 5 anos:

  • 66% conseguem operar jogos de computador;
  • 47% sabem utilizar um smartphone;
  • 62% ligam o computador;
  • 57% sabem utilizar pelo menos um aplicativo no smartphone.

Dentre as crianças entre 6 e 9 anos, a pesquisa ainda revelou que:

  • 89% das crianças nesta faixa etária utilizam internet. No Brasil, este índice sobe para 97%;
  • 7% passam mais de 10 horas conectadas diariamente. A grande maioria fica online por aproximadamente 5 horas;
  • 46% delas estão cadastradas em redes sociais infantis e 16% encontram-se no Facebook, cuja idade mínima permitida para participar é 13 anos. No Brasil este percentual é bem maior: 54% das crianças nesta faixa etária possuem uma conta na rede social.

Com relação às mães entrevistadas, a pesquisa mostrou que 64% delas utilizam controle dos pais no computador para saber o que seus filhos acessam e 47% acreditam que o uso da tecnologia é extremamente benéfico para as crianças, ajudando-as a desenvolver habilidades motoras e a criatividade.

Apesar dos dados apresentados, muito tem se discutido a respeito da influência negativa da tecnologia na vida dos pequeninos. Pesquisas realizadas anteriormente também apresentaram diversos dados mostrando como o uso excessivo da tecnologia na infância pode causar prejuízos na vida e na educação deles.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Alberta, no Canadá, crianças que têm acesso a um gadget nos primeiros anos de vida têm 1,47 vezes mais chances de se tornarem obesas no futuro. Esta probabilidade aumenta para 2,74 se a criança em questão tem acesso aos três dispositivos - tablet, notebook e smartphone.

Já um estudo realizado pela agência de saúde pública britânica mostrou que quando as crianças passam muito tempo na internet elas podem desenvolver problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e agressividade. Além destes, outros problemas também são apontados:

  • Torcicolo causada por horas excessivas digitando mensagens de texto no smartphone;
  • Inchaço, dor e dormência nos dedos causados por digitação repetitiva;
  • Dores nos ombros e nas costas por utilização excessiva de tablets.

Para lidar com o problema, a pesquisa apresenta dicas que não impedem que as crianças utilizem os dispositivos eletrônicos, mas orienta os pais sobre como controlar este uso e evitar que possíveis danos sejam causados a elas. Confira alguns deles:

  • Mantenha o computador em local aberto onde as atividades realizadas nele possam ser acompanhadas;
  • Instale em tablets e smartphones aplicativos que possuam controle de pais e que tenham finalidades pedagógicas;
  • Estabeleça com seus filhos limites de tempo diário para utilizar a internet;
  • Mantenha as crianças fora das redes sociais e de sites adultos pelo menos até os 13 anos de idade;
  • Crie uma pasta de sites aprovados para crianças para que elas possam acessar por conta própria.

Medidas de segurança simples podem evitar que sua família seja vítima de crimes comuns que acontecem diariamente na internet, além de evitar que seus filhos possam eventualmente vir a ter problemas de saúde no futuro.

Se você se interessou pelo assunto e quer conferir o infográfico completo da pesquisa, basta clicar aqui.

Leia também: Crianças brasileiras usam o Facebook três vezes mais que o restante do mundo

Fonte: http://www.bluebus.com.br/criancas-de-3-5-47-sabem-utilizar-1-smartphone-50-nao-sabem-o-caminho-de-casa/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=criancas-de-3-5-47-sabem-utilizar-1-smartphone-50-nao-sabem-o-caminho-de-casa