Estudantes exigem remoção do Enem como critério para o Ciência sem Fronteiras

Por Redação | 05.06.2013 às 18:31

Esta semana o governo anunciou a abertura de novas vagas no programa de intercâmbio 'Ciência sem Fronteiras', porém alguns estudantes discordam de todos os pré-requisitos exigidos para se candidatar a uma bolsa. A nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é a maior reclamação dos candidatos.

Um grupo chamado 'Enem CsF' foi criado no Facebook para debater o assunto. Uma petição eletrônica está disponível no site Avaaz e já conta com 4.905 assinaturas daqueles que acreditam que o Ministério da Educação (MEC) deve remover o Enem como critério principal de classificação no Programa Ciência sem Fronteiras (CsF).

O argumento dos alunos é que o CsF é um programa que visa oferecer bolsas de intercâmbio aos estudantes de graduação, logo, critérios como carga horária cumprida, projetos de iniciação científica, prêmios acadêmicos deveriam ter mais peso do que o resultado do Enem, que visa avaliar o desempenho de alunos do segundo grau.

Além disso, os pequenos "deslizes" do Enem não foram deixados de lado na petição, que indicou uma matéria mostrando a quantidade de erros cometidos nas avaliações, como os graves erros de Português em redações que levaram a notas máximas, algo que diminui a credibilidade do Exame.

Desde que foi criado, o CsF utilizava o Enem apenas como critério de desempate, mas desde o último dia 24, ele passou a ser uma exigência para os candidatos se inscreverem. Para ser considerado apto a se inscrever no programa, é preciso apresentar uma nota igual ou acima de 600 pontos em teste realizado após 2009.

De acordo com O Globo, em nota, o governo federal afirmou que "não abre mão do Enem como o principal critério de seleção de candidatos à bolsa de estudo no programa Ciência sem Fronteiras, uma vez que o referido exame não é apenas um indicador de qualidade para o ensino médio, mas também um dos instrumentos de política pública voltado a permitir maior democratização das oportunidades de acesso ao ensino superior".

Leia também: Estudar no exterior: abertas novas vagas para o programa Ciência sem Fronteiras