Entenda o porquê do HTML 5 ser o principal motivo pela "morte" do Flash

Por Redação | 22 de Abril de 2014 às 18h59

Como tendência própria do universo da tecnologia, as ferramentas são rapidamente substituídas. As fitas cassete deram lugar aos CDs, que, por sua vez, deram lugar aos arquivos digitais, pendrives e toda uma lista de rápida substituição tecnológica que veio ocorrendo nos últimos anos. O mesmo processo já ocorre com o HTML 5 que está tornando a linguagem Flash obsoleta.

Pauta de alguns anos para cá, a discussão sobre as duas linguagens é extensa entre desenvolvedores. Em 2010, Steve Jobs disse em uma carta que o HTML 5 seria o futuro e que o Flash já não era mais necessário – em defesa da Apple que não trabalha com o segundo em seus sistemas operacionais.

Independentemente da preferência de cada usuário, algumas implicações positivas do HTML 5 são inquestionáveis: vantagens em mobilidade e web semânticas. O crescimento da tecnologia mobile, o aumento da interatividade em vídeos – também por conta de anúncios – e a estrtura aberta do HTML 5 já indicam que este seja o caminho a ser trilhado.

Essas duas características foram determinantes para o sucesso do mercado mobile. Devido à incompatibilidade do iOS e de alguns aparelhos Android em relação à linguagem Flash, esta ficou fortemente vinculada a PCs, que também vêm em declínio nos últimos anos.

Alguns sites encontraram soluções para as limitações do Flash. Por exemplo, no videoclipe interativo Like a Rolling Stone, de Bob Dylan, lançado em novembro, usuários de computadores têm a experiência de imediato. Aqueles que acessam o vídeo em um Android recebem um teaser que os convida a ter a experiência completa em um desktop. Já os usuários de iOS são recomendados a baixarem um aplicativo que disponibiliza o vídeo – algo um tanto trabalhoso.

O Interactive Advertising Bureau prublicou recentemente uma carta aberta assinada por grandes marcas – AOL, Google, The New York Times, Forbes, entre outras – solicitando aos profissionais de marketing que implementassem o HTML 5 como padrão para anúncios em dispositivos móveis.

A insistência no uso do Flash por alguns se dá pela praticidade e costume de se produzir um conteúdo com esta linguagem. Segundo um artigo publicado na InfoWorld, construir um app em HTML 5 pode demorar mais do que o planejado em 59% dos casos e isso se dá pela necessidade de testes e correções para todas as plataformas.

Finalmente, mas não menos importante, o "super trunfo" do HTML 5 sobre o Flash é que os chamados SEOs, ou sistemas de busca, não podem pesquisar o conteúdo de dentro do Flash, que é um formato completamente fechado. Dessa forma, com a web semântica do HTML 5, as peças que formam o produto final podem se relacionar de maneira que os sistemas de busca possam encontrá-las.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.