Empresa americana acusa Google Hangouts de violar marca registrada

Por Redação | 01.12.2013 às 18:25

O Google foi acusado nos Estados Unidos de usar o termo Hangouts propositalmente para nomear seu serviço de mensagens instantâneas por texto, voz e vídeo, mesmo sabendo que poderia causar confusão nas pessoas por causa da existência de uma empresa chamada Hanginout, que abriu um processo contra a gigante de Mountain View por violar sua marca registrada.

A Hanginout fornece um aplicativo para iOS de mesmo nome que permite a interação entre seus usuários através de vídeos gravados. É possível seguir pessoas e celebridades, fazendo perguntas e recebendo respostas em forma de vídeo. Ela tem sede na Califórnia e foi fundada em meados de 2011, mas desde 2009 vinha desenvolvendo seus produtos.

Já o Google Hangouts foi lançado em maio e fornece uma plataforma que permite a troca de mensagens por texto, voz e vídeo, além de ter substituído o aplicativo de SMS e MMS no sistema operacional Android a partir da versão 4.4 (Kit Kat). Devido à semelhança entre a palavra "Hangouts" e "Hanginout", tanto na escrita quanto na pronúncia, a empresa Hanginout acusa o Google de infringir sua marca registrada.

Porém, o pedido de registro da marca Hanginout ainda está pendente. A empresa deu entrada na solicitação de registro de marcas norte-americanas em 12 de julho de 2012, enquanto o Google fez a solicitação de registro da marca Hangouts em abril de 2013. Em julho, o Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos (USPTO) suspendeu o pedido do Google devido ao "risco de confusão" com a marca comercial pendente da Hanginout.

Desta forma, o registro da marca Hangouts pelo Google pode no fim não sair, mas por enquanto está suspenso até que a marca Hanginout seja registrada ou abandonada. "O uso de Hanginout pelo Google representa uma violação intencional de marca, o que tem causado certa confusão no mercado e pode vir a enganar os consumidores", disse a Hanginout na denúncia.

Ainda segundo a denunciante, o Google cometeu um ato de concorrência desleal por "tentar aumentar a probabilidade de que os consumidores sejam confundidos" e por dar a entender uma filiação que na verdade não existe.

Graças a todos esses detalhes, a Hanginout pediu ao tribunal uma injução preliminar e permanente de violação de marca registrada e práticas comerciais desleais pelo Google, assim como um total de danos que ainda será definida em julgamento. Ela também pediu ao tribunal que triplicasse os danos devido a violação intencional e concorrência desleal, exigindo um julgamento com júri. Ao ser contatado, o Google preferiu não comentar o caso.