'Em essência, Apple é a nova Microsoft', dizem analistas

Por Redação | 21 de Fevereiro de 2014 às 18h17
photo_camera Divulgação

Desde a morte de Steve Jobs, em 2011, analistas e até os próprios usuários acreditam que a Apple perdeu uma de suas principais características, e também aquela que a consagrou no mundo da tecnologia: a criatividade. De fato, quando paramos para analisar, foram poucos os produtos que realmente conseguiram inovar depois dos primeiros modelos de iPod, iPhone e iPad – salvas raras exceções, como os recentes iPad Air e o Mac Pro.

Mas a situação da empresa de Cupertino pode ser mais grave do que aparenta, pelo menos de acordo com especialistas de Wall Street. Como informa o Business Insider, eles acreditam que a Apple está seguindo o mesmo caminho que a Microsoft no começo dos anos 2000, quando a companhia começou a não apresentar nenhum produto ou serviço que pudesse abalar o mercado tecnológico.

Ben Reitzes, um analista da banco britânico Barclays, defende a teoria de que a Apple é pioneira na criação de novos conceitos e novas categorias de produtos para o consumidor final, mas que isso não é o suficiente para acelerar o crescimento econômico da própria companhia. Para Reitzes, nem mesmo o lançamento de um novo iPhone ou outras tecnologias, como o iWatch, poderá valorizar a empresa.

"Francamente, não conseguimos ver motivos reais de como relógios inteligentes ou TVs vão aumentar os lucros [da Apple], e nem estamos convencidos de que esses produtos poderão causar o mesmo impacto de categorias lançadas nos velhos tempos", disse o analista, se referindo aos anúncios dos primeiros iPhone e iPad, quando Steve Jobs ainda estava vivo.

Reitzes ainda revelou que, como consumidor, está animado com os próximos lançamentos da Apple, mas que, como investidor, é preciso pensar duas vezes antes de querer investir em ações ou outros serviços da companhia.

Chris Matyszczyk, um dos redatores do site CNET, comentou que "em essência, a Apple é como a Microsoft, [e está] apenas a alguns passos da mediocridade". Ele ainda afirma que a Maçã caminha para um futuro de irrelevância, no qual outros concorrentes serão mais inovadores do que ela.

Até o cofundador da Apple acredita que a empresa perdeu seu brilho. Em entrevista recente ao TechCrunch, Steve Wozniak disse temer que a Microsoft crie produtos melhores e ainda mais diferenciados que a Maçã nos próximos anos. Woz justifica sua preocupação: para ele, o fato de a Microsoft não ter medo de errar e seguir mudando as coisas, criando produtos que não seguem a mesma linha de sempre, como iPhone e Android, pode ser uma verdadeira pedra no sapato da empresa que ele ajudou a fundar.

Para Wozniak, as inovações parecem ter dado uma trégua, o que lembra o período que a Apple enfrentou quando Jobs saiu da empresa, na década de 80. Vale lembrar que Bill Gates, um dos fundadores da Microsoft, está de volta à gigante de Redmond para ajudar no desenvolvimento e direcionamento de novos produtos, o que deve preocupar ainda mais não só a Apple, mas outras empresas de tecnologia.

E você? Acha que a Apple já não é tão inovadora quanto antes? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.