Para pagar menos impostos, Google transferiu US$ 9,8 bi para paraíso fiscal

Por Redação | 11 de Dezembro de 2012 às 14h20
TUDO SOBRE

Google

O Google conseguiu evitar cerca de US$ 2 bilhões em imposto de renda em todo o mundo em 2011. Naquele ano, a companhia transferiu US$ 9,8 bilhões de suas receitas para uma empresa de fachada no arquipélago das Bermudas.

As informações, divulgadas pela Bloomberg, dão conta de que o montante transferido para o paraíso fiscal é equivalente a cerca de 80% do lucro total obtido pelo Google no ano passado. O gigante das buscas tem evitado milhões de dólares em impostos de renda ao redor do mundo usando estratégias fiscais.

As táticas adotadas são permitidas pela legislação fiscal dos Estados Unidos e alguns outros lugares do mundo. Várias multinacionais utilizam esse recurso, mas no caso do Google, uma subsidiária irlandesa recolhe as receitas de anúncios vendidos em países como o Reino Unido e França. Essa unidade irlandesa, por sua vez, paga royalties para outra filial irlandesa, cuja residência legal para efeitos fiscais é nas Bermudas.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Com essa maneira de canalizar legalmente os lucros de subsidiárias para o paraíso fiscal, que não tem um imposto de renda corporativo, o Google cortou a sua taxa de imposto global quase pela metade. Mas essas práticas estão causando certo tumulto.

Na semana passada, o órgão executivo da União Europeia, a Comissão Europeia, aconselhou os Estados membros a criar listas negras de paraísos fiscais e adotar regras anti-abuso no direito tributário. Em sua defesa, o Google afirmou que está em conformidade com todas as regras fiscais, e seu investimento em vários países europeus ajuda em suas economias.

"A estratégia fiscal da Google e outras multinacionais é um constrangimento profundo para os governos ao redor da Europa. As pessoas entendem que se o Google não paga, alguém tem de pagar ou serviços serão cortados", disse Richard Murphy, diretor da empresa inglesa de pesquisa LPP.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.