É preciso investir na rastreabilidade dos alimentos

Por Colaborador externo | 18 de Agosto de 2014 às 07h50

Por João Carlos de Oliveira*

Nas últimas semanas, os consumidores brasileiros se depararam, novamente, com a retirada de produtos das gôndolas dos supermercados. Novos lotes de leite com suspeita de contaminação passaram por recall, assim como um lote de achocolatado com alteração no sabor e odor. O recolhimento dos itens das prateleiras é cautelar, e busca examinar amostras dos alimentos para garantir a segurança de quem os consome.

Quando uma situação dessas acontece, é preciso agir com rapidez para evitar que mais unidades sejam vendidas e, assim, evitar que o problema tome proporções maiores. É aí que a rastreabilidade assume um papel fundamental. Graças a ela, é possível adotar medidas emergenciais, já que o processo permite identificar onde ocorreu a contaminação química, biológica ou perda de qualidade e retirar logo o produto de circulação.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Tudo isso acontece em função das informações que podem ser capturadas por meio do código de barras ou por sistemas de identificação por radiofrequência, e que permitem acompanhar todo o trajeto do produto, desde a matéria-prima, passando pela indústria até chegar às prateleiras do varejo. É possível agregar informações adicionais como: o número lote, a data de validade ou o peso.

A padronização de dados dos bens alimentares na cadeia de suprimentos se torna cada vez mais necessária e gera maior confiança por parte do consumidor. Com um sistema de identificação em todas as fases de produção dos alimentícios, é possível a localização ágil e segura de cada item. O Brasil não pode perder mais tempo. É preciso investir na rastreabilidade, pois, o mais importante, é estar preparado para enfrentar e resolver eventualidades. Quem faz a lição de casa ganha duas vezes: conquista a confiança do consumidor e abre as portas para o comércio mundial, que também tem sido criterioso quanto ao controle de origem. Tecnologias existem. O que precisamos é que elas sejam aplicadas.

*João Carlos de Oliveira é presidente da GS1 Brasil-Associação Brasileira de Automação.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.