Depois do Google, agora é a vez da Amazon cortar os preços dos serviços na nuvem

Por Redação | 27 de Março de 2014 às 10h09

A partir do dia 1º de abril, os serviços de cloud computing da Amazon, maior empresa desse mercado, deverão ficar mais baratos. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (26) pelo vice-presidente em serviços web da companhia, Andrew Jassy, em uma conferência para web developers em São Francisco. Os cortes devem variar entre 10% e 65%, de acordo com a Reuters.

Entre os maiores clientes dos serviços de computação na nuvem da Amazon estão sites populares de streaming, como o Netflix, e a rede social Pinterest. O próprio Departamento de Defesa dos Estados Unidos utiliza alguns serviços de cloud da companhia, considerando o sistema seguro o suficiente para que possa ser utilizado por órgãos governamentais.

O anúncio da redução de preços da Amazon veio duas semanas depois do Google fazer o mesmo com o Drive. Essa é a 42ª vez que a empresa reduz o valor cobrado pelos serviços desde que iniciou suas operações de cloud computing, em 2006.

Atualmente a Amazon é a maior empresa do ramo, e, de acordo com Jassy, é cinco vezes maior que seus 14 rivais combinados. Nesta semana, a Cisco também anunciou que investirá US$ 1 bilhão nos próximos dois anos para a criação de seu próprio serviço de cloud computing.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.