Dennis Woodside, CEO da Motorola, é contratado pela Dropbox, afirma jornal

Por Redação | 13 de Fevereiro de 2014 às 11h00
photo_camera Divulgação

Duas semanas depois que o Google vendeu a Motorola Mobility para a Lenovo, o CEO da companhia norte-americana já está de malas prontas para outra empresa. De acordo com informações do The Wall Street Journal, fontes familiarizadas com a indústria afirmam que Dennis Woodside é o novo diretor de operações do serviço de armazenamento na nuvem Dropbox.

O relatório divulgado pelo jornal destaca que o executivo ficará encarregado de expandir ainda mais os serviços de cloud na nova corporação, já que a empresa enfrenta forte concorrência de outras platafomas disponíveis no mercado, como o Box Inc. e o Google Drive, e a dúvida de empresários se vale a pena continuar investindo na companhia. Woodside vai trabalhar lado a lado com o presidente executivo da Dropbox, Drew Houston, e do líder da área de tecnologia, Arash Ferdowsi.

Antes de assumir o comando da Motorola, Woodside entrou para o Google em 2003 com a responsabilidade de gerenciar negócios da gigante das buscas com parceiros e anunciantes internacionais. Ele se tornou CEO da Motorola em 2011, logo após o Google adquirir a empresa. Por conta de sua experiência de mais de 10 anos à frente das negociações do Google com outros países, é compreensível a Dropbox querer contratá-lo para aumentar as chances de parcerias da organização com novos investidores.

As mudanças de cargo de Woodside representam, a princípio, uma grande perda para a Motorola. Mesmo que não tenha conseguido uma boa margem de lucratividade na empresa, o executivo ajudou na criação dos dois últimos aparelhos lançados pela companhia, o Moto X e o Moto G, ambos muito bem recebidos pela imprensa e pelos usuários.

Além disso, antes da venda para a Lenovo, Woodside se mostrou decidido em colocar a Motorola no topo das fabricantes de smartphones, e até chegou a citar em uma entrevista que estava nos planos da companhia lançar um dispositivo que custasse US$ 50. O executivo também deu a entender que a Motorola já desenvolvia novos produtos que poderiam ser customizados de acordo com as preferências de cada usuário, mas não ficou claro se essa personalização se referia ao Moto Maker - loja que permite alterar as cores do aparelho, incluindo parte da frente, traseira, botões e ainda escolher opções de armazenamento interno (16 GB ou 32 GB) - ou sobre o Ara, o projeto de celulares modulares e que agora pertence ao Google.

A reportagem do WSJ ainda afirma que Woodside deve fazer uma aparição em um evento fechado para o público durante a Mobile World Congress 2014, feira de tecnologia que acontece entre os dias 24 e 27 de fevereiro em Barcelona, na Espanha. Até o fechamento desta matéria, nem a Motorola ou a Dropbox comentaram o assunto.

A venda da Motorola à Lenovo foi divulgada no dia 29 de janeiro durante uma Conference Call que contou com a presença de Yang Yuanqing, CEO da Lenovo, e Wong Waiming, CFO da empresa. A transação custou US$ 2,91 bilhões à maior fabricante de computadores do mundo.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.