Delator da Microsoft é condenado a três meses de prisão

Por Redação | 12.06.2014 às 15:53

Alex Kibkalo confessou ser culpado pelo roubo de segredos comerciais de seu antigo empregador, a Microsoft, e terá que pagar pelo crime com pena de três meses de detenção, segundo informações da PC World.

De acordo com os documentos judiciais publicados pelo The Register, o juiz da corte distrital de Washington desconsiderou aplicar uma multa, de valor não revelado, a Kibkalo, pois alegou que o delator era "financeiramente incapaz" e seria improvável que ele conseguisse pagar a quantia. Segundo os relatórios, assim que Kibkalo cumprir sua pena e for liberado, ele deverá ser deportado para a Rússia, seu país natal.

Kibkalo foi preso por roubar atualizações de software de pré-lançamento do Windows RT, assim como o software de ativação que criou sistemas de bloqueio e chaves que validam o produto. O russo vazou então as informações para um blogueiro francês não identificado, que utilizou-se do nome "wzór" para fazer as publicações online.

Para a infelicidade de Kibkalo, ele realizou o envio das informações utilizando uma conta no próprio serviço de email da Microsoft, o Hotmail, sendo que assim a empresa pôde provar com facilidade a suspeita do crime.

Após isso, a Microsoft modificou a sua política de privacidade ao deixar claro que não voltaria a bisbilhotar a conta de email do usuário a fim de descobrir mais evidências contra o tráfico de segredos comerciais e corporativos ou outras atividades ilegais que envolvessem a empresa.

As novas políticas de privacidade e um contrato de serviços foram liberados na quarta-feira. O acordo deverá entrar em vigor no final de julho.