Conhecendo o universo de desenvolvimento de apps para smartphones

Por Gabriel Castro | 20.03.2014 às 18:30 - atualizado em 03.04.2014 às 15:04

Com a expansão do mercado mobile, boas oportunidades de crescimento e reconhecimento surgiram para empresas e negócios locais. Com ele, também abriram-se oportunidades para profissionais liberais como designers, chefs e músicos que também podem construir sua própria rede de contatos, mostrar os seus trabalhos e abrir um canal de comunicação com seus respectivos usuários e clientes.

Antes de iniciar o desenvolvimento de um aplicativo é preciso levar em conta fatores importantes. "Público-alvo, jornada (casa, trabalho, cama, etc.), time saver ou time killer (otimizar o tempo ou matar o tempo) e retenção seriam os pilares da criação. Contudo, ainda existem as ferramentas de interação - KPIs - que são igualmente importantes. Se tivesse de fazer um resumo seria: easy, fast e fun (fácil, rápido e divertido)”, explica João Paulo Gino, Diretor da CodeZone, empresa especializada em soluções web, mobile, e-commerce e multimídia.

O especialista acrescenta que há opções de entrar no mercado mobile sem precisar recorrer exclusivamente aos aplicativos. "Existem outras ferramentas do mundo móvel que podem beneficiar de igual forma - um app não é o único caminho. Acessar um site móvel bem feito ainda pode dar uma experiência tão boa quanto", afirma.

Uma empresa com um aplicativo próprio aumenta a credibilidade e trabalha sua imagem no mercado, mostrando que está atualizada e inserida no universo mobile. Grande parte ou, em alguns casos, tudo o que uma empresa oferece online é passível de ser oferecido também em um app ou site móvel, explorando os recursos de interação e a fidelização de seu público. "Empresas que conseguiram fixar sua concepção em pilares criativos e funcionais para seus clientes tiveram ótimos resultados. Atualmente, é comum que 20% dos acessos ao site de uma empresa sejam feitos a partir de dispositivos móveis. Portanto, ter um site mobile ou até mesmo um app contribui para o aumento dessa interação", comenta João.

Desenvolvendo um app

Ter um app exclusivo não é algo tão distante quanto parece. Atualmente existem inúmeras ferramentas online "do it yourself" (DIY, ou "faça você mesmo) com passo a passo ilustrado e didático que pode facilitar o desenvolvimento de um app para uma empresa ou instituição. O conhecimento avançado em informática e programação ainda é imprescindível em alguns aspectos, mas em outros casos essas ferramentas predefinidas são suficientes para a criação de alguns aplicativos voltados para negócios ou fortalecimento de uma marca.

Na programação, os aplicativos podem ser classificados em três grupos: aplicativos nativos e híbridos, que são instalados no dispositivo por meio de uma loja como a Apple Store ou Google Play; web apps, que são páginas web otimizadas para dispositivos móveis e parecem um aplicativo; e os web apps que usam páginas HTML5 e navegadores incorporados para rodá-los.

João Gino explica que hoje existem três maneiras de se desenvolver um app. Híbridos (via PhoneGap, Titanium), Frameworks (via Corona SDK, Unity, Titanium) e Nativos (via Objetive C e Java Android). "O que temos mais simpatizado atualmente é o uso dos frameworks que poupam bastante trabalho, seja codificação ou testes. Com eles é possível fazer um único código para os dois principais sistemas operacionais do mercado (iOS e Android) e ter a performance nativa", explica.

Utilizando diferentes caminhos

Como mencionado, alguns itens devem ser considerados antes de começar a desenvolver um app. Primeiro é importante saber qual mensagem será transmitida, o que envolve desde o conteúdo que será inserido até a identidade visual do software. O aplicativo pode ser integrado com uma fanpage do Facebook, Twitter, Tumblr, canal do YouTube e outros sites, mas é muito importante pensar na mensagem, no conteúdo desses links de redirecionamento.

Entender o público-alvo é algo que também deve estar no planejamento. Faixa etária, interesses, o quanto esse público usaria o aplicativo, como esse público prefere receber as informações - por imagens ou notificações push, por exemplo.

Se possível, deve-se considerar também a amplitude do mercado e incluir diferentes plataformas, como Android e iOS.

No Android é possível criar apps usando Java pelo software de desenvolvimento que eles mesmos oferecem. O software inclui modelos, códigos, ferramentas e emuladores de teste para os novos aplicativos. Existem vários tutoriais em vídeo disponíveis e, após a criação do app, a Google Play cobra uma taxa única de 25 dólares para a distribuição em sua loja. Para se criar aplicativos para o iOS, o processo começa com uma taxa de 99 dólares para usar o sistema de desenvolvimento oficial do iOS Developer Center.

É válido mencionar que, embora alguns dos sites que mencionaremos a seguir ofereçam serviços gratuitos, parte das possíveis cobranças incluem estes serviços de notificações e publicação nas lojas. Tendo em mente o que se deseja e das limitações de métodos simplificados, é possível criar um aplicativo em pouco tempo e a um custo mais acessível.

Confira alguns sites que disponibilizam o desenvolvimento DIY de aplicativos:

AppMakr

Apps

Plataforma de desenvolvimento que funciona no próprio navegador. Com o AppMakr é possível criar aplicativos mais simples que concentram funcionalidades ao puxar conteúdo externo, como Facebook, RSS de notícias, link para canais do YouTube, dentre outros. São inúmeras funções que incluem agenda de contato e galeria de fotos, bem como notificações push e serviços de localização. A interface é personalizável, permite trabalhar com cores e imagens importadas, com vídeos de instruções e desenvolvimento intuitivo.

O AppMakr é gratuito para o desenvolvimento de aplicativos para Android, iOS e Windows Phone, mas conta com anúncios que podem ser removidos com a contratação de um dos planos oferecidos pela empresa. Ao assinar um dos planos, também é possível acessar novos recursos da ferramenta.

Quando finalizar o desenvolvimento, o programador pode visualizar o aplicativo na tela do computador e disponibilizá-lo imediatamente no Android através da própria loja do AppMakr, a Monkey Market. No entanto, para a publicação nas lojas Google Play, Apple Store e a Windows Phone Store existem custos, explicados por um guia do site.

Criamos um tutorial de como fazer um app no AppMakr aqui.

Appery.io

Apps

Esta plataforma tem um sistema integral de nuvem que dispensa a instalação de programas e facilita o desenvolvimento de aplicativos. É bastante simplificado e não exige nenhum conhecimento de programação, mas ele também inclui seções avançadas que permitem exportar o HTML ou trabalhar com binários para Android e iOS.

O uso do Appery.io é gratuito para equipes de um único desenvolvedor e oferece a possibilidade de criação de um projeto, 1 GB de armazenamento, 1 milhão de notificações push e API. Planos pagos garantem mais usuários, mais projetos e mais espaço de armazenamento.

Conduit Mobile

Apps

O Conduit Mobile facilita a criação de apps pois já tem conceitos pré-definidos para seus usuários, como modelos para restaurantes que já são vinculados a outros serviços, como os de reserva de mesas ou pedido de delivery, modelos de e-commerce para lojas virtuais, sistemas de agendamento de consultas e modelos que integram serviços musicais como o SoundCloud e BandPage.

Ele também possui recursos adicionais como notificações push, mapas, serviços de localização relatórios analíticos de interação de usuários e outras funções.

O Conduit Mobile é gratuito para até cinco usuários de criação. Para usuários ilimitados, suporte à submissão dos aplicativos às lojas, notificações push e suporte técnico, os planos começam em US$ 39 mensais.

Esses três sites são exemplos de baixo ou nenhum custo para a criação de aplicativos. Como dito anteriormente, a lista dessas ferramentas de desenvolvimento é enorme. Outros métodos de criação que envolvem custos e mensalidades maiores são o App Machine, Mobile Roadie e App Factory.