Conheça a mais obscura das moedas virtuais: a Darkcoin

Por Redação | 22.05.2014 às 17:39

Em apenas quatro meses, a mais nova criptomoeda da rede, conhecida como Darkcoin, está chamando a atenção dos especuladores. Desenvolvida com base na mesma tecnologia utilizada pela Bitcoin, a Darkcoin também implementa uma topologia de rede P2P para criar um sistema de transações monetárias anônimo e descentralizado. As informações são do site Wired.

Acontece que as redes da Bitcoin permitem que qualquer pessoa veja as transações que estão sendo efetuadas em um livro público de contabilidade chamado Blockchain. O que a Darkcoin faz é automaticamente combinar as transações feitas pelos utilizadores com as de outras pessoas, misturando tudo e dificultando ainda mais que a origem seja identificada por alguém que esteja bisbilhotando a rede.

Esse diferencial é o que parece ter instigado o interesse de novos investidores, e hoje a estimativa é de que o total de Darkcoins em circulação na rede esteja superando a marca de 30 milhões de dólares. Um fenômeno. Dos 0,75 cents desde o seu lançamento, em janeiro deste ano, a moeda escalou até os quase 7 dólares, alta de mais de 900%.

Mas os especialistas alertam para o risco desse tipo de investimento. A alta repentina no preço da moeda não é natural, e sim um provável reflexo da forte especulação, e nesse caso, a qualquer momento pode ocorrer o crash da Darkcoin, com uma desvalorização da moeda.

Ainda assim, a comunidade tem visto a Darkcoin como uma alternativa interessante devido à maior privacidade oferecida ao usuário. Característica essa que, a princípio, também projetou a bitcoin.

Há também o temor de que o anonimato oferecido pela Darkcoin possa levá-la a se transformar em moeda de troca para o mercado negro, mácula que ainda hoje tinge a imagem da Bitcoin devido a páginas como o Silk Road na Deep Web.

É difícil prever o futuro das moedas virtuais no cenário atual, que em meio a fraudes, quebras de exchanges (casas de câmbio) e alta flutuação de preço têm provocado incertezas no que diz respeito ao seu estabelecimento. Talvez a Darkcoin não seja a moeda que irá mudar as regras do jogo, talvez nem mesmo a bitcoin seja, mas não há como negar que o avanço da tecnologia traz novas necessidades e desafios para lidar com o mercado.