Compra da Motorola pela Lenovo não inclui o Ara, projeto de smartphone modular

Por Redação | 30.01.2014 às 01:51 - atualizado em 30.01.2014 às 10:37

A venda da Motorola Mobility para a Lenovo pegou muita gente de surpresa. Confirmada pelo Google na noite desta quarta-feira (29), a transação custou US$ 2,91 bilhões à empresa chinesa, quatro vezes menos do valor que a gigante das buscas desembolsou em 2012 quando comprou a companhia de celulares americana. Mas fica aqui um detalhe importante: a Motorola agora é da Lenovo, mas não todos os projetos desenvolvidos enquanto ela esteve nas mãos do Google.

Segundo informações do site TechCrunch, o acordo entre a empresa de Mountain View e a fabricante chinesa não inclui o Grupo de Tecnologia Avançada conhecido apenas como "Q". Isso signfica que o Moto X, o Moto G e outros aparelhos pertencem à Lenovo, com exceção do Project Ara, o conceito de smartphone com peças modulares comandado por Regina Dugan, diretora da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos Estados Unidos (DARPA, na sigla em inglês).

O The Verge afirma que o projeto será realocado para a divisão Android, onde Dugan vai liderar uma equipe de 100 pessoas. Mesmo no novo local, a plataforma continuará sendo desenvolvida de forma independente ao sistema operacional móvel. Além disso, as patentes que correspondem ao Ara serão mantidas pelo Google, embora a Lenovo tenha uma licença para esses documentos.

Fora o celular modular, os funcionários do Q possuem outros projetos em andamento. Entre eles está o conceito de uma tatuagem eletrônica que, quando incorporada à pele, é capaz de autenticar e autorizar o acesso do usuário a computadores e dispositivos móveis. O mesmo mecanismo poderá ser aplicado em uma pílula que, teoricamente, transforma a pessoa que a engolir em uma senha ambulante.

Por que o Google vendeu a Motorola?

O Google comprou a Motorola Mobility em 15 de agosto de 2011 em uma transação bilionária: a gigante de Mountain View desembolsou US$ 12,5 bilhões pela fabricante de celulares norte-americana. Em pouco mais de dois anos nas mãos do Google, a Motorola ganhou uma nova logomarca e recebeu incentivo da companhia que resultou no lançamento de dois celulares inteligentes: o Moto X e o Moto G, ambos muito bem recebidos no mercado por unirem as qualidades de um Android topo de linha ofertado por um preço acessível.

No entanto, Larry Page, CEO do Google, alega que o mercado de smartphones é altamente competitivo e, por isso, acredita que a Motorola será melhor administrada pela Lenovo, que já lidera a indústria de computadores no mundo todo. E para explicar melhor esses motivos, o TechCrunch divulgou um memorando interno direcionado aos funcionários das duas empresas. Leia abaixo, na íntegra, a carta traduzida:

"Googlers,

Estamos prestes a anunciar a venda da Motorola para a Lenovo por US$ 2,91 bilhões. Esta é uma notícia importante que eu queria informar diretamente a vocês.

Compramos a Motorola em 2012 para ajudar a turbinar o ecossistema Android, criando um portifólio de patentes ainda mais forte para o Google e grandes smartphones para os usuários. Nos últimos 19 meses, Dennis Woodside [CEO da Motorola] e toda sua equipe têm feito um imenso trabalho de reinventar a empresa, focando-se na construção de um número menor (mas com grande valor) de celulares que os consumidores adoram. Tanto o Moto G como o Moto X estão indo muito bem, e estou animado com os futuros lançamentos para 2014. E junto da propridade intelectual, as patentes da Motorola ajudaram a criar condições perfeitas para competir no mercado, o que é uma boa notícia para os usuários e todos os parceiros do Android.

Mas o mercado de smartphones é super competitivo, ainda mais quando se fala em fazer dispositivos móveis. É por isso que acreditamos que a Motorola será melhor comandada pela Lenovo, que tem um negócio de smartphones que está crescendo rapidamente, além de ser a maior fabricante de PCs no mundo. Esta mudança vai permitir que o Google dedique sua energia para promover a inovação em todo o ecossistema Android e beneficiar os usuários de celulares inteligentes em todo lugar. Por outro lado, isso não significa que vamos alterar drasticamente nossos planos para novos hardwares. A dinâmica e a maturidade dos mercados em desenvolvimento, por exemplo, são muito diferentes do setor de telefonia móvel global. Estamos animados com várias oportunidades de construir novos produtos incríveis para usuários dentro desses ecossistemas emergentes.

A Lenovo tem a experiência e histórico necessários para levar a Motorola a um lugar importante dentro do ecossistema Android: eles têm muita experiência em hardware e possuem alcance global. Além disso, a Lenovo planeja manter a identidade da marca Motorola, assim como eles fizeram quando compraram a ThinkPad da IBM em 2005. O Google continuará mantendo boa parte das patentes da Motorola, e vamos usá-las para defender todo o ecossistema Android.

Por fim, um grande obrigado a toda a equipe da Motorola pelo trabalho duro. Também gostaria de agradecer a Dennis por comandar a empresa e também se esforçar para fazer grandes produtos. Estou orgulhoso de tudo o que a equipe da Motorola alcançou e sigo confiante de que agora, com a Lenovo como parceira, a companhia vai construir mais e mais produtos para as pessoas em todos os lugares."