Como funciona o efeito tridimensional do Fire Phone?

Por Redação | 20.06.2014 às 12:10

A notícia em si já é digna de nota: a Amazon está entrando no mundo dos celulares com o Fire Phone, anunciado nesta quarta-feira (18). O aparelho em si também tem os seus destaques, sendo o principal deles a Dynamic Perspective, tecnologia que permite a simulação de um efeito tridimensional para a interface, papéis de parede e menus do aparelho.

O funcionamento é bastante semelhante ao que é visto no Nintendo 3DS, mas no caso do celular da Amazon, o movimento tridimensional segue o usuário e não exige que o aparelho seja segurado em uma posição específica. A mágica acontece por meio de quatro câmeras localizadas na parte da frente do dispositivo, que acompanham os movimentos da cabeça do utilizador e garantem que ele não terá náuseas nem precise forçar os olhos.

Mas nem sempre foi assim. Como conta o site Phone Arena, o Fire Phone é um projeto que começou na Amazon há quatro anos e, inicialmente, exigia até mesmo o uso de óculos especiais para que esse rastreamento acontecesse. É claro que a utilização de um acessório do tipo em um celular não iria colar. Portanto, a empresa tomou a decisão de apostar em câmeras para utilizar o efeito.

Para que tudo funcione normalmente, pelo menos duas delas precisam estar observando o usuário durante todo o tempo. Mesmo que as outras sejam tampadas com os dedos durante o uso, o efeito tridimensional continua operando, mesmo que com alguns problemas, garantindo o uso mesmo quando o celular é segurado em modo paisagem, na horizontal.

Além disso, os sensores dispostos na frente do aparelho contam com um sistema especial de campo de visão capaz de captar imagens em um ângulo de até 120 graus, contra 72 graus dos dispositivos convencionais. Isso foi feito para garantir que a cabeça do utilizador não saísse do alcance das câmeras, outro aspecto que poderia dificultar a aplicação da estereoscopia.

Esse termo, aliás, também merece menção, já que é aqui que está o método de criação de imagens tridimensionais ao qual todos estamos acostumados. Assim como nos cinemas, que precisam de um óculos, ou no portátil da Nintendo, que dispensa a utilização deles, o Fire Phone trabalha com a ilusão de ótica para criar a sensação de profundidade e movimento, gerando imagens ligeiramente diferentes para cada um dos olhos.

O uso de quatro câmeras funcionais durante todo o tempo, porém, trouxe consigo preocupações quanto ao gasto energético do Fire Phone. É por isso que a Amazon, mais uma vez, saiu do tradicional e decidiu usar sensores “global shutter”, que capturam imagens muito mais rapidamente que as tradicionais “rolling shutter”. Mesmo ativadas dezenas de vezes por segundo, elas gastam dez vezes menos bateria.

É essa a tecnologia que permite a utilização do celular em condições de baixa luminosidade, já que o Fire Phone usa luzes infravermelhas para “enxergar” o usuário mesmo no escuro. Assim, mesmo com tudo apagado, é possível utilizar os efeitos 3D do aparelho sem problema algum.

Essas são apenas as informações que foram divulgadas oficialmente pela Amazon após o evento de revelação do Fire Phone. Com a abertura do SDK da tecnologia para os desenvolvedores de software, mais e mais informações sobre o funcionamento dessa novidade devem ser reveladas.

O Fire Phone custará a partir de US$ 199 e será lançado pela Amazon nos EUA no dia 25 de julho deste ano. Ainda não há informações sobre a chegada do smartphone ao Brasil.