Com lançamento previsto para 2015, Project Ara ganhará segunda conferência

Por Redação | 29.10.2014 às 17:24
photo_camera Divulgação

O Google anunciou nesta quarta-feira (29) a segunda edição de um evento focado nos smartphones modulares do Project Ara. Agendada para o dia 14 de janeiro de 2015, a conferência acontecerá na sede da empresa, em Mountain View (Estados Unidos), onde é esperado que a entidade revele a data de lançamento dos primeiros protótipos que chegarão aos consumidores finais.

Além da sede da companhia, acontecerão eventos menores nos escritórios do Google em Nova York, Buenos Aires e Londres no dia 14/01. Uma semana depois (21/01) será a vez das cidades de Singapura, Bangalore, Tokyo, Taipei e Xangai receberem edições da conferência para desenvolvedores.

Em comunicado oficial, Paul Eremenko, líder da divisão responsável pelo projeto, revelou que o principal objetivo deste segundo evento é a divulgação da versão 0.20 do Ara Module Developers Kit (MDK), incluindo demonstrações ao vivo dos últimos protótipos dos celulares e módulos do Ara. As entradas para o evento custam US$ 200 para Mountain View e Singapura, e US$ 50 para as outras cidades onde serão realizadas versões paralelas. Estudantes terão direito a meia-entrada (US$ 25).

Lançamento

Em junho deste ano, durante a conferência Google I/O, a empresa reforçou seu compromisso em lançar os primeiros smartphones do Project Ara em janeiro do ano que vem. Mesmo sem divulgar uma data específica, a gigante das buscas disse que espera vender o aparelho – pelo menos o modelo mais simples – por cerca de US$ 50. Agora que a companhia agendou um segundo evento específico para o produto, é provável que os dispositivos sejam realmente disponibilizados ao público no primeiro mês de 2015.

A ideia por trás do Ara surgiu dentro da divisão Advanced Technology and Projects (ATAP), que pertencia à Motorola. No entanto, o Google manteve essa divisão mesmo após vender a americana para a chinesa Lenovo.

O Project Ara consiste de uma única base capaz de suportar diversos componentes diferentes de acordo com as necessidades do usuário. Todas as peças podem ser trocadas por outras melhores ou mais baratas. Por exemplo, se a câmera apresentar um problema, basta mudar o bloco que corresponde ao acessório por um novo, além da possibilidade de adicionar recursos como 4G, processador, tela e outras características presentes nos telefones móveis atuais.

Por enquanto, existem pelo menos três tamanhos distintos de smartphones modulares: mini, médio e grande, cada um com configurações diferentes. Eles medem aproximadamente 100 (mini), 120 (médio) e 140 (grande) milímetros de comprimento e 40 (mini), 60 (médio) e 80 (grande) milímetros de largura. A comunicação entre um módulo e outro acontecerá através de um endoesqueleto equipado com a UniPRO, uma interface de alta velocidade desenvolvida para interligar circuitos integrados.