Ciab 2014: Responsável pelo projeto Watson compara supercomputador com "expert"

Por Stephanie Hering | 05 de Junho de 2014 às 17h10

Na tarde da última quarta-feira (4), Mike Rhodin, ex-vice-presidente sênior do grupo de soluções de sofwtare da IBM e atual responsável pelo projeto Watson, esteve presente na Ciab 2014 para explicar um pouco mais sobre o supercomputador.

De acordo com Rhodin, devemos pensar no Watson como "o melhor expert que você possa imaginar". Para quem não conhece o projeto, trata-se de um computador desenvolvido pela IBM capaz de entender e responder a perguntas. O Watson ficou famoso após ganhar a edição 2011 do Jeopardy, um quiz show americano.

No final do ano passado, a IBM anunciou que abriria a plataforma para testes com estudantes, companhias e desenvolvedores. Na ocasião, o executivo confirmou a parceria com 7 universidades americanas "prestigiadas" que já estão incluindo aulas de programação do Watson em seu conteúdo programático, como a RPI e NYU.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Durante o evento, Mike Rhodin também aproveitou a ocasião para divulgar alguns dos exemplos que a empresa já está pondo em prática. Como já divulgado anteriormente, o primeiro deles é em aplicações médicas, ajudando doutores e hospitais. Segundo Rhodin, com o grande volume de informações circulando por meio do Big Data e as novas atualizações em publicações, é um desafio se manter constantemente atualizado. "Há tanta informação que é impossível absorver todas elas", opinou.

Mike Rhodin (esq.) e mediador da palestra (dir.) durante a Ciab 2014 (Foto: Stephanie Hering/Canaltech)
Assim, o Watson entra em cena para auxiliar profissionais na descoberta de doenças e pesquisas, não por diagnóstico, mas sim com um "ranking de possíveis respostas" para problemas listados pelos médicos. "O Watson não vai decidir, mas vai ajudar humanos a tomarem melhores decisões", afirmou Mike.

O executivo também comentou o uso do Watson na indústria farmacêutica, por meio de seu enorme armazenamento de dados e, consequentemente, seu conhecimento sobre substâncias químicas. Rhodin explicou que, com o supercomputador, é possível descobrir novos remédios graças à sugestão das melhores interações entre elementos.

Esta última aplicação também funciona em cenários mais simples, como na elaboração de um novo prato na cozinha de casa. De acordo com Rhodin, o Watson pode sugerir alimentos que não só combinem, mas tenham um bom sabor, por meio de sua aprendizagem sobre as substâncias de cada ingrediente.

O Watson como personal shopper

Segundo Mike, o advento do e-commerce fez com que as empresas perdessem o personal shopper, isto é, a opção de fazer sugestões aos clientes. "Quando você entra em um site de viagens, tem que ter escolhido o destino. E se você quer sair de férias e não sabe para onde? (...) Perdemos o expert", explica.

Ciab 2014

Com o Watson, a IBM crê que será possível resgatar esse conceito, oferecendo ideias com base no que as pessoas estão procurando.

"Nova era da computação"

Para o palestrante, estamos vivendo uma "nova era do computação". Trata-se da era da inteligência artificial, na qual sistemas "podem ler e entender a linguagem natural".

No caso de Watson, até mesmo as redes sociais e blogs se tornam dados para aprimoração deste aprendizado. O supercomputador da IBM já lê tweets e outros textos como blogs. De acordo com Rhodin, 90% dos dados do mundo foram gerados nos últimos dois anos, sendo destes 80% não estruturados, isto é, os posts em blogs ou mídias sociais.

Rhodin acredita que estamos vivendo uma "nova era da computação" (Foto: Stephanie Hering/Canaltech)
Entraves e futuro

Apesar de seu enorme potencial, o Watson ainda enfrenta alguns entraves antes de chegar ao mercado como solução. Como no programa Jeopardy, o supercomputador ainda não sabe a respostas para todas as perguntas possíveis e nem sempre as entende. Contudo, Rhodin afirma que a IBM está trabalhando para solucionar isso por meio de dois processos.

O primeiro acontece na adição de informações à base do Watson. Ao inserir um novo pacote de dados, a IBM faz perguntas ao computador e, dependendo do resultado de suas respostas, decide manter ou não o pacote. Além disso, Mike afirma que a companhia está desenvolvendo aprimoramentos que permitirão, em breve, que o Watson faça uma pergunta para entender sobre o que foi questionado.

Ciab 2014

Por fim, a IBM também tem planos de inserir novas línguas no Watson (atualmente o computador só funciona em inglês). No entanto, Mike afirma que isso funcionará por meio da tradução, pois seria difícil fazer com que o sistema armazenasse os mesmos dados diversas vezes, mas em línguas diferentes.

Rhodin disse ainda que, no futuro, o Watson e outros dispositivos de inteligência artificial terão a capacidade de "aprender não como máquinas, mas como na nossa compreensão". O executivo ainda comparou o sistema como um violino que, separado, não é tocado. Ao mesmo tempo, um violinista sozinho não faz música. Deste modo, violino e violinista se completam para criar algo.

"O Watson não é sobre sistemas que substituem os homens, mas que ajudam no desenvolvimento humano", concluiu.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.