Chips de baixo custo não estarão presentes na arquitetura Broadwell da Intel

Por Redação | 11 de Setembro de 2014 às 11h52

A Intel atrasou o lançamento de sua nova geração de processadores Haswell e eles deverão aparecer no mercado até o início de 2015. Com o adiamento, a empresa ficará apenas com a linha Core M de processadores neste ano.

Denominados de Broadwell-M, esses chips foram desenvolvidos para serem bem finos e não precisarem de ventoinha mesmo conseguindo entregar uma alta performance e suportarem resolução 4K. Tal feito permite se pensar na adoção deles por dispositivos menores como smartphones e tablets.

A empresa está trabalhando para entregá-los ao mercado o mais breve possível, mas os Brodwell-M deverão ser os únicos a serem disponibilizados, ficando de fora modelos mais modestos e baratos que, segundo o Ars Technica, estão permanentemente amarrados aos processadores Haswell.

A Intel adota como procedimento padrão atualizar toda a linha de processadores dos mais diversos padrões em etapas. A primeira etapa consiste em atualizar os processadores da linha Core, que envolvem o i7, i5, i3 e suas variantes de alta performance. Na segunda etapa a empresa realiza a atualização da linha de processadores mais modestos, como Celeron e Pentium.

No entanto, provavelmente devido aos atrasos que sofreu com o Broadwell, a redução do processo de litografia para 14 nanômetros só estará disponível nos processadores de alta performance. Segundo um porta-voz da fabricante, desta vez "a linha não será completamente atualizada" e os "donos de equipamentos de baixa performance terão que esperar o lançamento da linha Skylake" para ter acesso aos upgrades.

Ainda que a Intel trate a linha Core como seus chips de ponta, a intenção da empresa é conseguir integrar todos os Broadwell com a GPU Iris Pro, que a princípio não estava presente nos modelos da linha Core Haswell para desktops. Isso talvez indique que somente os equipamentos de ponta e notebooks possam contar com a nova linha Broadwell, já que os processadores vendidos para computadores de mesa podem simplesmente ser excluídos pela Intel.

De acordo com as palavras do porta-voz da empresa, os donos de computadores equipados com processadores Pentium e Celeron terão que trocar todo o hardware se desejarem realizar um upgrade completo de sua máquina, visto que a substituição do chip é inviável. Isso se dá por causa do tick-tock. Para a Intel, 2014 é o ano do "tock", que se trata da redução do processo de litografia. Já 2015 é o ano do "tick" em que os novos soquetes e compatibilidade com a RAM DDR4 serão introduzidos.

A estratégia adotada pela norte-americana de adaptar outras soluções tende a evitar a introdução de upgrades em larga escala. A linha Broadwell ficaria restrita somente aos consumidores que precisam de máquinas mais potentes e, para aqueles que não estiverem satisfeitos o desempenho e queiram migrar para algo melhor, a Intel oferece a linha Skylake, que ainda não chegou ao mercado e que demandará dos usuários um upgrade completo do hardware. Para a grande maioria dos usuários, um computador equipado com Haswell é ideal, enquanto outros preferem ultrabooks e tablets com chips Core M.

Fonte: http://meiobit.com/297279/intel-broadwell-chips-alta-performance-somente/

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.