Case Webmotors: 45% mais performance ao migrar para a nuvem

Por Igor Lopes | 23.11.2014 às 19:03

Se você já quis comprar ou vender um carro na internet, certamente, caiu nas páginas do WebMotors. Hoje a empresa é uma das maiores do setor, figurando com frequência em listas dos 100 maiores sites brasileiros. São 20 milhões de visitas e 200 milhões de páginas impressas por mês.

Para um negócio que é totalmente dependente da sua plataforma online, "sair do ar" significa perder dinheiro. Por isso, a migração de uma estrutura 100% própria para a nuvem representava um risco – e, claro, um grande receio por parte dos setores mais conservadores da companhia.

Só que, em julho do ano passado, uma parte da empresa foi comprada por um novo investidor, que fez uma imposição: para que o negócio fosse concluído, era preciso que a TI se tornasse autônoma – saísse de onde estava (dos servidores do antigo dono) para ocupar uma estrutura 100% independente. Estava traçado o caminho do WebMotors rumo à computação na nuvem, e a AWS foi a empresa escolhida para hospedar as páginas do serviço.

Decision to Deploy

Com a decisão de migrar para a nuvem já tomada pelo board, era necessário agir. Ao definir a mudança para a cloud, o WebMotors mirou principalmente a liberdade operacional e o ganho de performance, mais até do que possíveis ganhos em economia na comparação com o investimento em uma infraestrutura própria. “Mas, claro, sairia muito mais caro construir um ambiente dedicado do que pagar pelo que consumimos na nuvem”, compara Marco Lonzetti, CIO do WebMotors.

Iniciado em janeiro, o processo de migração terminou totalmente em maio. “Poderia ser mais rápido, porém, passamos por um processo de reconstrução da equipe de TI e tivemos que mapear e conhecer a infraestrutura para planejar os passos da operação em cloud. A reconfiguração em si foi tranquila. Estamos documentando tudo para facilitar os processos evolutivos”, afirma Lonzetti.

A segurança da informação não foi deixada de lado. “Nossa política segue muito forte, com ênfase nos controles de acesso e no uso de VPNs. Criamos e estamos aprimorando uma nova camada de firewall que nos protege de ataques e de robôs que roubam dados. Temos um ambiente totalmente contingenciado em diferentes zonas da AWS e, ao olharmos pra frente, podemos contar amplamente com as soluções do marketplace da AWS”, completa.

A empresa contou com a ajuda da consultoria CredibiliT e da própria AWS para a migração do site. Ao final do processo, foi só “virar a chave” e usufruir do novo ambiente. "Migramos em um sábado, na segunda-feira à noite já tinha baixado 100% da poeira", afirma.

Ao todo, estima-se que mais de 300 terabytes de dados são trafegados por ano para suportar a audiência que navega pelas páginas de produtos automobilísticos anunciados pelo site.

Benefícios

Para Lonzetti, o ganho mais evidente com a nuvem é o de performance – o site ficou 45% mais rápido. "As queixas dos clientes no Facebook relatando esse tipo de problema (time-out) estão próximas de zero agora, mesmo com a página da empresa registrando dois milhões de seguidores na rede social".

Já em termos monetários, mesmo sem o parâmetro de valores da infraestrutura antiga – o custo não foi revelado – o CIO afirma que economizará algumas centenas de milhares de dólares por ano ao utilizar cloud.

Um número, no entanto, está na ponta do lápis. Por meio dos avanços registrados com a plataforma da nuvem, o balanceamento da infraestrutura permitirá uma economia de US$ 100 mil até o final do ano. Isso é possível com uma diminuição da carga em momentos ou dias em que a visitação do site é menor, como em horários de jogos de futebol na tevê. Já nos momentos de “pico” o aumento ocorre de forma dinâmica.