Capitalismo de compadres, um modelo muito comum no Brasil

Por Colaborador externo | 17 de Junho de 2014 às 17h20

por Célio Pezza*

Uma recente pesquisa feita em abril pelo Pew Research Center, entidade estabelecida em Washington, mostrou que a economia brasileira está ruim, na avaliação de 67% dos entrevistados. 72% disseram estar insatisfeitos com o Brasil de hoje, ante 55% de um ano atrás. “O humor nacional no Brasil é ruim”, disse a pesquisa.

Quanto a Copa do Mundo da FIFA, 61% acham que é ruim para o país, pois tira dinheiro dos serviços públicos, tão precários no Brasil. No quesito economia, um grande problema é uma forma de capitalismo que transfere renda da população para grandes corporações, com ampla participação governamental.

Os grandes capitalistas estão sempre se aliando ao governo, pois, dessa forma, suas empresas quebram com maior facilidade as barreiras burocráticas. Já os pequenos negócios acabam falindo, pois não têm recursos suficientes para quebrar essas barreiras. Neste contexto é muito mais lucrativo ser “amigo do rei” do que inovar e buscar a verdadeira competição.

Neste momento, o sistema capitalista passa a ser um verdadeiro ‘Capitalismo de compadres’. Na verdade, os maiores inimigos do capitalismo são os executivos das grandes empresas, que, junto com o governo, buscam favorecimentos contínuos aos seus negócios. No sistema capitalista há duas formas de uma empresa ter sucesso: no primeiro caso, ela produz bens ou serviços que atendam ao mercado; já no segundo caso, ela se utiliza de meios políticos para obter favorecimentos do governo para seu negócio, ou seja, o conhecido ‘Capitalismo de compadres’.

Também vemos muitos empresários que defendem o livre mercado, considerando a competição muito saudável quando ele é o comprador, mas predatória e injusta quando ele é o vendedor. O ‘Capitalismo de compadres’ também destrói os valores morais, pois, quase sempre, vem acompanhado de corrupção.

Não estamos conseguindo atrair investimentos estrangeiros porque, segundo o Banco Mundial, o nosso ambiente de negócios atual tem uma das piores avaliações no mundo. O sucesso das empresas depende dos laços com o governo e estes garantem subsídios, incentivos fiscais, proteção contra competição, facilidade de obter contratos vantajosos com empresas controladas pelo governo, concorrências desleais e outros favorecimentos.

Tocar um negócio num sistema competitivo estimula o crescimento e a inovação. Já obter contratos com altos lucros junto ao governo é muito mais fácil e estimula a corrupção. Essa é a realidade.

*Célio Pezza é escritor e autor de diversos livros, entre eles: As Sete Portas, Ariane, A Palavra Perdida e o seu mais recente A Nova Terra - Recomeço. Saiba mais em

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.