CEO da Microsoft irá visitar a China em meio a investigação antitruste

Por Redação | 28.08.2014 às 17:28

O presidente-executivo da Microsoft, Satya Nadella, que assumiu o cargo em fevereiro, fará uma visita à China no final de setembro ao mesmo tempo em que o governo chinês realiza uma investigação antitruste contra a empresa. As informações foram divulgadas à Reuters por uma fonte com conhecimento sobre o assunto.

Não se sabe ao certo se Nadella irá se reunir com representantes do governo chinês durante a visita ou se o objetivo da viagem é tentar resolver o problema diretamente com a Administração Estatal para Indústria e Comércio, órgão regulador antitruste na China.

Um porta-voz da Microsoft informou que a empresa não comenta os planos de viagens dos executivos e as autoridades do órgão regulador chinês não foram localizadas para comentar a visita.

A Microsoft está entre as empresas estrangeiras que estão passando por um escrutínio conforme o governo chinês tenta colocar em prática sua lei antimonopólio, criada em 2008. Segundo alguns críticos, a lei está sendo usada para prejudicar empresas estrangeiras no país.

Normalmente, quando presidentes de companhias visitam a China, o objetivo é fortalecer laços. No entanto, Nadella será ao menos o segundo grande executivo de uma empresa de tecnologia a visitar o país após o aumento das tensões antitruste na segunda maior economia do mundo.

Steve Ballmer, antecessor de Nadella na presidência-executiva da Microsoft, visitou a China poucas vezes durante seus 14 anos no cargo. A pouca presença no país se deve ao grande número de Windows e Offices piratas que são usados, o que fez Ballmer afirmar em 2011 que a Holanda gerava mais receita para a Microsoft do que a China.

A investigação antitruste da Administração Estatal para Indústria e Comércio da China contra a Microsoft teve início no começo deste mês. O órgão do governo sustenta que a empresa possa ter violado as leis antimonopólio em relação à compatibilidade, à agregação e autenticação de documentos do sistema operacional Windows e do pacote Office.

Fonte: http://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN0GS20120140828