Balões de internet do Google vão utilizar infraestrutura de operadoras móveis

Por Redação | 07 de Maio de 2014 às 10h45
photo_camera Divulgação

O Project Loon, iniciativa do Google que utiliza balões para levar internet a áreas remotas, acaba de ganhar novidades. De acordo com Astro "Captain of Moonshots" Teller, líder do laboratório secreto do Google X, a iniciativa será licenciada para outras empresas - mais precisamente operadoras de telefonia móvel - que queiram ajudar a espalhar o acesso à internet pelos quatro cantos do planeta.

Durante sua palestra no "Disrupt", evento em Nova Iorque (EUA) organizado pelo site TechCrunch, Teller afirmou que a ideia inicial do Project Loon era totalmente independente de outras companhias, ou seja, seria financiado inteiramente pelo próprio Google. No entanto, o cofundador da entidade, Larry Page, disse que a estratégia seria arriscada e poderia frustrar os objetivos principais do projeto, que é garantir acesso à rede para todas as pessoas.

Dessa forma, Teller explicou que a empresa mudou seus planos e decidiu que o Loon agora vai operar de acordo com as telecomunicações de cada país. Isso significa o seguinte: o Google vai fornecer os balões equipados com toda a tecnologia necessária para captação e transmissão do sinal de internet para os usuários, enquanto as prestadoras de serviços móveis serão responsáveis pelo envio desse sinal aos balões.

Ainda não está claro como a inclusão dos balões poderia afetar essa infraestrutura - no caso, se a qualidade e intensidade do sinal seria comprometida. Há também questões mais burocráticas que envolvem contratos e licenças para utilização do espectro de cada operadora. A proposta do Google é alugar os balões para as empresas de telecomunicações e assim voar sobre os estados que possuem cobertura daquela operadora.

Fato é que a estratégia torna o projeto mais atrativo para as operadoras, especialmente em áreas onde o sinal de rede não consegue chegar. Graças a esse modelo de negócio, o conceito do Loon pode alcançar ainda mais internautas, pois utiliza a infraestrutura de rede existente em cada país. Isso pode beneficiar principalmente áreas rurais, onde o espectro de rede é menos usado quando comparado a grandes metrópoles.

Outra notícia animadora é que o Google começou a testar a internet móvel de quarta geração (4G) nos balões do Project Loon. Os testes estão acontecendo em Nevada, nos Estados Unidos, em parceria com outras operadoras. Ainda não há previsão de quando os experimentos serão expandidos para outros locais do globo.

Balões de internet

Os balões usados pelo Google no Project Loon foram desenvolvidos pela Força Aérea norte-americana. Cada um deles possui 15 metros de diâmetro e circula com equipamentos como antenas de rádio, computadores de voo, sistema de controle de altitude e painéis solares, que são os responsáveis pela produção de energia para o objeto. Os balões voam a 20 mil metros do solo, acima dos aviões e das nuvens. Por enquanto, o Loon oferece velocidades equivalentes à rede 3G.

Recentemente, um dos balões do Google completou uma volta ao mundo em 22 dias - um trajeto de aproximadamente 500 mil quilômetros, passando pelo Oceano Pacífico, Chile, Argentina, Austrália e Nova Zelândia. O objetivo da volta é verificar como os balões vão se comportar diante de várias condições climáticas em diferentes partes do mundo.

Segundo Mohammad Gawdat, vice-presidente de inovação empresarial do Google X, o Project Loon pode chegar ao Brasil. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o executivo comentou que se reuniu com o governo para discutir a implantação do projeto no país. "Vamos ouvir o ministro das Comunicações do Brasil (Paulo Bernardo) para saber quais são as necessidades do país, qual parcela da população não tem acesso à internet, que tipo de acesso as pessoas estão procurando e como as operadoras de telefonia trabalham", disse.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.