Baidu confirma investimento no Uber

Por Redação | 17.12.2014 às 14:24
photo_camera Divulgação

Os rumores, mais uma vez, estavam certos. O Baidu confirmou nesta quarta-feira (17) que está investindo no Uber, tornando-se um dos maiores apoiadores da plataforma de transportes. As empresas não falaram no tamanho desse aporte, mas boatos anteriores indicam que ele estaria na casa dos US$ 600 milhões e representariam a compra de uma parcela minoritária da plataforma.

Porém, de acordo com informações do Tech Crunch, esse valor não estaria correto e o montante investido pelo Baidu seria ainda maior. Além disso, o veículo afirma que a entrada da empresa chinesa no negócio pode acabar atraindo também outros investidores asiáticos, o que tornaria mais fácil o início da operação do Uber no território.

Seria esse, aliás, o grande motivo por trás do aporte de dinheiro. A plataforma de transporte privado será integrada ao Baidu Maps, de forma que os usuários utilizem o serviço na hora de solicitar um carro. Além disso, o Uber será exibido com destaque nas buscas de usuários chineses sempre que eles procurarem por rotas ou endereços, servindo mais ou menos como uma solução “oficial” para as corridas realizadas nas cidades em que estiver funcionando.

Trata-se de um movimento estratégico e com grande potencial para ambas as partes. De um lado, o Uber ganha o impulso mais do que necessário para iniciar de verdade suas operações na China e bater de frente com concorrentes já estabelecidos. A ideia, também, é que a resistência a plataformas ocidentais também seja deixada de lado com a união. O serviço já está presente em nove cidades chinesas, incluindo grandes centros como Pequim, Xangai e Shenzhen.

Para o Baidu, por outro lado, o objetivo é rivalizar diretamente a Tencent e a Alibaba, com quem compete pelo mercado digital chinês. Elas operam, respectivamente, os serviços Didi Dache e Kuaidi Dache, que também trabalham com veículos particulares, e já funcionam há algum tempo em cidades da Ásia.

Nos próximos meses, o Uber será disponibilizado com destaque na loja online 91 Wireless, que atua como o principal serviço de distribuição de apps da China, um país em que a Google Play Store não está disponível. Assim, fica disponível para um universo de mais de 200 milhões de usuários, além de mais 500 milhões de clientes em potencial, que passarão a ter contato com seus serviços a partir da integração com as buscas do Baidu e seus serviços de mapas.

Sopro de ar fresco

Acima de tudo, o investimento vem em um grande momento para o Uber. A empresa, recentemente, levantou US$ 1,2 bilhão em investimentos após ser avaliada com um valor estimado de US$ 40 bilhões. Um dos objetivos de todo esse capital é, justamente, financiar sua expansão para a região da Ásia e do Pacífico, algo para o que a companhia conta agora com um grande parceiro.

Mais do que isso, o aporte de recursos serve como uma demonstração de confiabilidade para uma plataforma que vem sendo cada vez mais metralhada com escândalos e denúncias. O estupro de uma passageira em Nova Délhi, na Índia, foi a mais recente e grave camada de complicações pelas quais o Uber está passando, sendo acusado de negligenciar a segurança de seus passageiros, falhando em selecionar seus motoristas, e também a privacidade deles a partir da coleta de dados de smartphones.

Além disso, existem indícios de que a união entre Baidu e Uber vai além do território chinês. Já há quem diga que os serviços também pretendem se expandir na América Latina a partir do Brasil, onde o sistema já funciona e vem gerando atritos junto a cooperativas de táxi e organizações que regulam o transporte público.