Apple lança nova seção de Política de Privacidade em seu site

Por Redação | 18 de Setembro de 2014 às 17h47
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Com os recentes vazamentos de fotos de celebridades nuas nas contas do iCloud, era de se esperar que a Apple tomaria providências sobre a questão da segurança, como já havia dito que faria. Enquanto no evento de lançamento da marca nenhum comentário sobre o tema foi feito, a empresa já está tomando atitudes para melhorar a questão da segurança dos seus usuários.

Segundo o site Mashable, ontem (17) foi identificado um reforço na segurança do iCloud, com dois níveis de autenticação. E hoje, a Apple lançou uma nova seção de Política de Privacidade para o público em seu site.

A seção mostra inicialmente uma carta aberta de Tim Cook, CEO da empresa, para os clientes. Na apresentação é interessante notar os conjuntos de palavras escolhidos por ele que confirmam as orientações da empresa quanto à segurança.

“Na Apple, sua confiança é tudo para nós. Nosso modelo de negócio é muito simples: nós vendemos produtos. Não construímos um perfil com base em seu conteúdo de e-mail ou hábitos de navegação na web para vender aos anunciantes. Não “rentabilizamos” as informações armazenadas no seu iPhone ou no iCloud. E não lemos seu e-mail ou mensagens para obter informação sobre você para o mercado. Nossos softwares e serviços são projetados para tornar os nossos dispositivos ainda melhores. Pura e simplesmente”, afirma ele.

O CEO também não deixa espaços vagos e fala inclusive do iAd, plataforma para publicidade móvel da Apple. Segundo ele, o serviço adere à mesma política de privacidade aplicada a todos os produtos da Apple. Ele afirma que não são usados dados do HomeKit, Maps, Siri, iMessage e outros serviços, por exemplo.

Cook também esclarece a relação da Apple com o governo, e afirma que “nunca trabalhamos com qualquer órgão governamental de qualquer país para criar um backdoor em algum dos nossos produtos ou serviços”. Completando, ele afirma: “nós também nunca permitimos o acesso aos nossos servidores”.

O último parágrafo, provavelmente, foi escrito numa tentativa de responder a suspeitas da participação da Apple no programa da NSA chamado PRISM. Dessa forma, a empresa garante que nunca permitiu o acesso aos seus servidores (diretamente ou não).

Com a crescente preocupação com ações do governo sobre as empresas de tecnologia, a Apple também criou a seção “Pedidos de informação do governo” e afirma que não pode desbloquear o telefone protegido por senha de um usuário mesmo que haja uma solicitação do governo. Neste sentido a Apple escreve:

“Em dispositivos que executam o iOS 8 seus dados, fotos, mensagens (incluindo anexos), e-mails, contatos, histórico de chamadas, conteúdo iTunes, notas e lembretes são colocados sob a proteção de seu código de acesso. Ao contrário dos nossos competidores, a Apple não pode ignorar seu código de acesso e, portanto, não pode acessar esses dados. Portanto, não é tecnicamente viável para nós respondermos a mandados do governo para extração dos dados a partir de dispositivos iOS 8 na sua posse”.

Mesmo que a Apple não seja capaz de desbloquear os dispositivos dos clientes que sejam protegidos por senha, mediante ordem judicial os dados do iTunes e do iCloud não ficariam protegidos e a empresa busca ser sincera neste quesito.

Segundo a empresa, menos de 0,00385% dos clientes tiveram os dados solicitados por pedidos do governo. No entanto, ela ressalta que “quem quer ter certeza que seus dados estão a salvo de olhares indiscretos do governo deve desativar o armazenamento de dados no iCloud completamente”.

Outras partes do site oferecem dicas de segurança e privacidade, mostram os novos recursos do iOS 8 para a questão de segurança e as atualizações da empresa sobre Política de Privacidade.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.