Apple divide ações para se tornar mais acessível a investidores

Por Redação | 11.06.2014 às 09:26 - atualizado em 11.06.2014 às 15:57

Uma modificação repentina no preço das ações da Apple levou bastante gente de fora do mercado financeiro a acreditar rapidamente que a empresa estaria passando por problemas. Afinal de contas, quando é que vemos uma companhia do porte da Maçã vendo uma redução de mais de 80% de um dia para o outro sem que entre em colapso? Mas calma, está tudo bem com a Apple e a “baixa”, se é que pode ser chamada assim, tem seus motivos.

Não se trata nem mesmo de uma redução de valor, na verdade. Conforme foi explicado pela própria empresa em abril, a Apple quer dar mais versatilidade e liberdade a seus investidores realizando a divisão de suas cotas por sete. Ou seja, os papéis que antes eram negociados na faixa dos US$ 700, agora passam a sair em sete partes de cerca de US$ 100. As informações são do CNET.

A ideia faz sentido e não apenas permite que os investidores possam negociar as ações da empresa sem terem que se desfazer de grandes pedaços de seu portfólio, como também reduz o nível de entrada para quem quer começar a apostar na companhia. Afinal de contas, não é todo mundo que tem US$ 700 para aplicar em uma única ação. A história, no entanto, é bem diferente quando falamos de um valor na faixa dos US$ 100.

Aquilo que pode ser encarado por muita gente como uma queda na verdade gerou pequenas valorizações para a companhia. Desde o dia 2 de junho, data em que a divisão dos papéis foi efetuada, as ações da Apple operam em ritmo estável na Nasdaq e, no fechamento do pregão desta terça-feira (10), registravam uma sensível alta de 0,59%, sendo vendidas por US$ 94,25 (cerca de R$ 210, apenas a título de comparação).

Essa, inclusive, não é a primeira vez que a Apple realiza um movimento desse tipo. No passado, a empresa realizou uma divisão de ações três vezes, em 1987, 2000 e 2005. Em todos os casos, a mudança aconteceu sempre que os papéis ultrapassaram a marca dos US$ 100 e tiveram as mesmas motivações: atrair um novo grupo de investidores e dar mais versatilidade àqueles que já apostam na empresa.

Além da divisão “7 por 1”, o CEO Tim Cook está investindo alto no pagamento de dividendos e retorno de capital para os investidores. No começo de 2014, a Apple revelou que voltaria cerca de US$ 130 bilhões para seus acionistas, no caminho de se tornar uma das empresas mais lucrativas do mercado para quem gosta de apostar na Bolsa de Valores.