Após polêmica, Lenovo quer instalar softwares mais seguros em seus computadores

Por Redação | 25 de Fevereiro de 2015 às 07h53

Na última semana, a Lenovo esteve no centro de uma polêmica relacionada à inclusão do Superfish, um reconhecido adware, entre os softwares embarcados com seus computadores novos. De forma a minimizar os danos à marca, a empresa tomou atitudes rápidas para resolver a questão e, agora, se diz disposta a dar um passo adiante e investir na busca por softwares seguros e confiáveis para incluir em suas máquinas.

Em uma carta aberta a seus clientes e investidores, o diretor técnico da empresa, Peter Hortensious, diz que a companhia está trabalhando em um novo conjunto de aplicativos para a oferta futura de computadores da Lenovo. O grande foco, claro, é a proteção das informações dos usuários, de forma que eles não sejam rastreados desde o primeiro minuto em que tocam em seus produtos novinhos.

Não é nem preciso dizer que adwares e outros aplicativos do tipo estão fora de questão, mas a companhia deseja ir além e investir em soluções mais “limpas”. Essa mudança também envolve uma análise profunda dos produtos que, hoje, já estão embarcados nos computadores da marca, para que eles se adequem a um conjunto de normas de privacidade e segurança que ainda está sendo finalizado.

Para chegar a um consenso, Hortensious diz estar consultando profissionais de segurança e um grupo selecionado de usuários comuns para encontrar um meio termo entre as soluções indispensáveis e aquelas que geram problemas. As primeiras mudanças relacionadas a esse plano devem ser reveladas no final da próxima semana e já aparecerão em modelos das linhas IdeaPad e Yoga que chegam ao mercado antes do final do primeiro semestre.

O caso

Em uma série de denúncias feitas por usuários e especialistas em segurança, a Lenovo foi acusada de instalar adwares em computadores novos. Mais especificamente, o software envolvido na polêmica é o Superfish, que monitora a navegação dos usuários para exibir anúncios de lojas online em meio às buscas do Google.

A instalação do aplicativo estaria vinculada a um acordo entre a Lenovo e uma empresa chamada Visual Search, que fornece justamente esse tipo de serviço para sites de leilão e comércio eletrônico. A praga funcionaria com os navegadores Internet Explorer e Google Chrome.

As denúncias levaram a Lenovo a se desculpar publicamente, mas não impediu a abertura de uma ação coletiva por usuários lesados. O grupo se diz lesado pela instalação do Superfish em suas máquinas novas e afirma que o adware vinha causando problemas de funcionamento no computador. Linhas como a Yoga, G, U, Y, Z e S estariam entre as afetadas.

Em um guia publicado na última semana aqui no Canaltech, você pode saber se está infectado e os métodos para remover o Superfish do seu computador.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.