Após aquisição, primeiro produto da Nokia é um tablet Android chamado N1

Por Redação | 18 de Novembro de 2014 às 10h09

A Nokia enganou a todos quando disse que deveríamos esperar pelo menos dois anos para vermos seu retorno ao mundo mobile. Isso pode até ser verdade no campo dos smartphones, mas a empresa mostrou nesta terça-feira (18) que já está pronta para voltar ao mercado com o N1, seu tablet Android que tem lançamento marcado para fevereiro de 2015.

Como é possível ver na imagem, a grande inspiração aqui é o iPad Mini, da Apple. As semelhanças são tantas que o dispositivo está sendo chamado de clone por alguns veículos da imprensa internacional justamente por apresentar linhas de design extremamente semelhantes ao produto da concorrente, ser constituído de materiais semelhantes (o corpo é feito de alumínio) e as mesmas cores do rival, além de câmera e botões em posições similares - com exceção do Home, que não existe aqui.

O Nokia N1 tem tela de 7,9 polegadas e resolução de 2.049 x 1.536 pixels, a mesma do iPad Mini. Com apenas 6,9 mm de espessura e 318 gramas, a empresa quer posicioná-lo como um dos tablets mais versáteis do mercado, principalmente por ele ser um dos primeiros a utilizar o novo formato USB type-C, o famoso cabo reversível que pode ser conectado de qualquer lado.

Nokia N1

Na parte interna, porém, o tablet não tem nada de “pequeno”. O processador do N1 é um Intel Atom Z3580 de 2,4 GHz, que vem acompanhado de 2 GB de RAM e 32 GB de espaço para armazenamento. As câmeras são de 8 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal) e o gadget já vem atualizado para a versão 5.0 Lollipop do Android.

A Nokia explica que a introdução do novo sistema operacional foi o grande motivo que a levou a pensar no tablet, que usa um sistema de abertura de apps por gestos chamado Z Launcher. Com ele, o usuário pode desenhar símbolos ou letras na tela bloqueada do aparelho para receber uma lista de softwares que o sistema acredita ter relação com o objeto indicado. Essa função pode ser configurada a gosto do usuário e também utilizada para realizar buscas online ou pesquisar contatos na agenda telefônica.

O Z Launcher será lançado hoje mesmo para celulares Android, mas sua utilização nos tablets será exclusiva do Nokia N1. Para a empresa, é esse caráter de exclusividade que marca seu retorno ao mercado mobile, já que, ao analisar o segmento, ela não encontrou nenhum dispositivo com o sistema operacional que fosse realmente bom. Daí veio a ideia de criar um aparelho definido como “bonito, simples e elegante, além de fácil de usar”.

Além disso, o pessoal do The Verge reforça a ideia de que a finlandesa não abrirá novas fábricas, mas se unirá a parceiros de produção para liberar seus novos produtos no mercado. Com o N1, um acordo com a Foxconn foi firmado e as duas empresas devem caminhar lado a lado na construção de mais dispositivos daqui para frente. É a proximidade com o mercado asiático que fará com que o N1 chegue primeiro por lá, no Ano Novo Chinês (19 de fevereiro), seguindo para países selecionados na Europa pouco depois.

Por fim, o principal plano da companhia para fazer frente à concorrência é a prática de um preço bem convidativo: o N1 custará apenas US$ 249, US$ 50 a menos que o modelo mais barato de iPad Mini.

A expectativa é alta e o nome é reconhecido. Será que essa soma vai funcionar e permitir que a Nokia volte em grande estilo para o segmento? Vamos saber no começo do ano que vem.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.