Android Wear deve ganhar novas funções para rivalizar com Apple Watch

Por Redação | 10.03.2015 às 17:10
photo_camera Divulgação

Apenas um dia depois do grande evento da Apple, que serviu para revelar uma série de novidades sobre o smartwatch da empresa, o Google já estaria preparando suas armas para combater o rival. De acordo com informações publicadas pelo site The Verge, a empresa trabalha atualmente em uma série de novidades para o Android Wear, seu sistema operacional voltado para os relógios inteligentes.

A ideia do Google seria, exatamente, correr atrás do prejuízo e entregar algumas das características do Apple Watch em boa parte dos aparelhos que utilizam a plataforma. Entre as novidades estariam mudanças na interface e usabilidade, de forma a facilitar o acesso a aplicativos, e uma independência maior dos comandos de voz, que podem não estar disponíveis em todos os idiomas e falham quando o usuário está em um lugar muito barulhento.

Para facilitar o uso em tais momentos, entram os controles por gestos, que permitiriam ao usuário, inclusive, controlar o smartwatch sem ter seu dedo ocupando parte do espaço da tela – uma alternativa interessante principalmente quando se leva em conta aqueles modelos que nem mesmo contam com botões físicos. Dessa maneira, acredita a companhia, os usuários terão diversas opções para escolher a que mais for adequada a eles, mas sem precisarem navegar por menus e mais menus em busca de uma configuração de sistema ou do aplicativo que precisam utilizar naquele momento.

Além disso, outro foco de trabalho seria a conexão independente ao Wi-Fi, uma possibilidade que já é entregue, por exemplo, pelo Moto 360. Assim, o relógio passaria a não mais depender da conexão Bluetooth para se parear ao smartphone e permitiria que o usuário continuasse a usar o produto caso eles não estejam ao alcance dessa conexão, mas sim conectados a uma mesma rede de internet.

O principal problema é que começaria a acontecer um pouco de fragmentação na base de usuários dos relógios Android. Alguns dos dispositivos mais antigos, de marcas não especificadas, poderiam não ser compatíveis com a gama de funcionalidades a serem adicionadas, enquanto outros teriam acesso completo a elas. A única exceção aqui deve ser o suporte aprimorado ao Wi-Fi, que deve sim estar disponível em todos eles e, provavelmente, passa a ser o método padrão de ligação entre os relógios e os celulares.

Oficialmente, o Google não se pronunciou sobre o assunto. Mas segundo as informações do The Verge, é provável que as novidades deem as caras já no evento I/O, marcado para maio e voltado para desenvolvedores. Coincidentemente, ele acontece cerca de um mês após a chegada do Apple Watch às lojas, o que também vai permitir que a companhia consiga mensurar a resposta do público às novidades do dispositivo e até faça alterações de última hora em alguns recursos.

A guerra dos smartwatches deve começar de verdade no dia 24 de abril, quando o Apple Watch chega aos Estados Unidos e uma série de mercados selecionados. As atualizações do Android Wear, enquanto isso, ainda não têm data para serem liberadas, já que nem mesmo foram confirmadas oficialmente.