Amazon terá data centers abastecidos por energia gerada pelo vento

Por Redação | 20 de Janeiro de 2015 às 15h07
photo_camera Divulgação

Em uma parceria que deve durar no mínimo 13 anos, a Amazon firmou um acordo com a Pattern Energy Group para tornar seus data centers dos serviços de cloud computing completamente abastecidos por energia eólica. O primeiro passo nessa direção será dado já em janeiro do ano que vem, quando a empresa começa a operar sua usina movimentada pelo vento e inicia sua saída dos métodos tradicionais de abastecimento.

O compromisso com a substituição da geração de energia tradicional por mecanismos sustentáveis é uma iniciativa cada vez mais crescente no mundo da tecnologia. Para a Amazon, é uma mudança ainda mais fundamental, já que a companhia não tem se saído muito bem nos relatórios anuais sobre o assunto publicados pelo Greenpeace, sendo taxada como a empresa menos transparente nesse sentido, com menos de 15% de seu total de eletricidade gasta vindo de métodos renováveis.

Agora, o intuito da companhia é construir uma usina eólica com capacidade de geração de 500 mil megawatts-hora, e esse valor é apenas uma estimativa inicial do que a unidade será capaz de produzir. Chamada de forma pouco criativa de Amazon Web Services Wind Farm, a planta fica na cidade de Benton Country, no estado americano de Indiana.

De acordo com os dados do site Venture Beat, é energia suficiente para abastecer cerca de 46 mil residências por ano. O americano médio gasta cerca de 10,8 megawatt-hora por mês, o que dá uma demonstração do poder necessário para abastecer os data centers da Amazon, que são usados não apenas por ela própria, mas também por grandes companhias como Spotify e Netflix. É uma estrutura gigantesca, e mantê-la funcionando gera um gasto terrível, sem falar nos danos para o meio ambiente devido ao consumo de energia.

É justamente pensando nisso que a Amazon possui uma série de iniciativas de proteção ao meio-ambiente sendo tocadas em diversas regiões do mundo. Além da recém-anunciada usina eólica, a empresa também tem um projeto para transformar todas as suas instalações em locais com emissão zero de carbono, um objetivo que já foi atingido em alguns locais do mundo.

A empresa não disse exatamente quando suas unidades passarão a serem abastecidas totalmente por energia do vento, mas a expectativa é que esse patamar ainda leve pelo menos alguns anos para ser atingido. Levando em conta que o contrato tem duração estimada em 13 anos, ainda parece um futuro distante.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.