Amazon desiste de aplicativo para pagamento digital

Por Redação | 21 de Janeiro de 2015 às 17h32

A Amazon está fora, pelo menos temporariamente, da corrida pelos softwares de pagamento digital. De acordo com informações do CNET, a rede varejista deve buscar novas formas de utilizar o aplicativo com seus serviços, antes de voltar a colocá-lo em andamento.

"Aprendemos muito com a introdução do Wallet e vamos procurar por maneiras de aplicar essas lições no futuro, enquanto continuamos inovando em prol de nossos consumidores", afirmou Tom Cook, porta-voz da Amazon, nesta quarta-feira (21).

A gigante do varejo online começou a informar a interrupção das atividades com o Amazon Wallet por meio de e-mails enviados para usuários, na terça-feira (20). A versão beta do aplicativo foi removida das lojas de apps. Essa manobra acontece, de acordo com a companhia, para que haja uma melhor análise de como aplicar o conhecimento na venda de produtos e serviços no setor da indústria financeira.

Após a anúncio, a Amazon, porém, não disse qual seria a previsão de retorno. Os usuários ainda poderão utilizar quaisquer presentes e cartões de fidelidade ou de sócio nas lojas do app. Os saldos, contudo, não serão mais atualizados a partir desta quarta, assim, os consumidores precisarão controlar seus próprios balanços.

Lançado ao final de julho do ano passado, o Amazon Wallet permitiu aos usuários armazenar e gerenciar presentes, cartões de lojas e de fidelidade e transações on-line. Entretanto, diferente de seus concorrentes, em especial o Apple Pay, seu aplicativo não permitia o uso de cartões de crédito ou débito.

A promessa de transformar smartphones em carteiras digitais já vem sendo anunciada há anos e desde o ano passado o setor vem avançando bastante para que isso se torne uma realidade mais ampla. A expectativa do mercado é que os pagamentos móveis sejam responsáveis por US$ 142 bilhões em transações em 2019. Em 2014, segundo pesquisa da Forrester Research, foram mais de US$ 52 bilhões.

O Google foi uma das primeiras empresas a oferecer pagamento móvel, com o serviço Wallet, mas acabou não sendo muito popular entre os usuários. Agora, a gigante das buscas pretende concorrer neste setor ao comprar a Softcard, que permitirá transformar smartphones com Android em carteiras digitais.

O PayPal também está disponível já há algum tempo e foi um dos principais responsáveis por mudar o comportamento das pessoas com relação à interação entre as transações reais e digitais. Porém, após a chegada do Apple Pay, a empresa se sentiu pressionada a manter um serviço competitivo em ambiente móvel e se uniu à Samsung.

Já a Apple ganhou bastante terreno desde setembro do ano passado, quando associou o Apple Pay aos iPhones 6 e 6 Plus, com a camada de segurança do reconhecimento de impressão digital para a confirmação de transações. Menos de 72 horas depois da estreia, um milhão de cartões de crédito já estavam utilizando o serviço.

Mas, como as carteiras digitais ainda estão em sua fase inicial de uso, ainda há problemas a serem resolvidos, não só entre as instituições financeiras como com a própria experiência dos consumidores. Assim que foi lançado o Apple Pay, por exemplo, varejistas e empresas de cartão de crédito brigaram sobre a responsabilidade no uso do pagamento móvel por consumidores com deficiência.

Ou seja, muita coisa deve acontecer ainda e as carteiras digitais com pagamentos móveis estão em plena fase de desenvolvimento.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.