Amazon confirma desacordo com editora sobre preços de livros digitais e físicos

Por Redação | 28 de Maio de 2014 às 12h02
TUDO SOBRE

Amazon

Após alguma especulação e diversas críticas de editoras e escritores, a Amazon confirmou que está em discussão sobre os preços de e-books e livros físicos com a editora Hachette. A empresa é responsável pela publicação de títulos bastante esperados como “The Silkworm”, da autora de Harry Potter, J.K. Rowling, e “The Everything Store: Jeff Bezos and the Age of Amazon”, de Brad Stone.

Em nota oficial, a varejista online não se mostrou muito otimista com relação à chegada a um acordo. De acordo com a empresa, está difícil obter um balanço ideal entre os preços que ela deseja praticar e os que a editora quer utilizar, o que pode acarretar nos livros da Hachette não sendo vendidos na Amazon.

Desde já, a loja afirma que, assim como qualquer outro comércio, tem o direito de escolher quais produtos deseja disponibilizar em suas prateleiras. Dessa forma, já cogita a hipótese de não trabalhar com a Hachette, apesar de afirmar estar trabalhando com afinco para que um acordo benéfico seja alcançado.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Apesar da briga parecer grande, a Amazon diz também que os problemas com a Hachette estão relacionados apenas a uma pequena parcela das obras da editora e, mesmo que um consenso não seja atingido, boa parte da oferta da empresa continuará no ar. Além disso, indica a existência de seu marketplace de vendedores autorizados que não precisam seguir a política da empresa e, sendo assim, podem vender produtos da publicadora sem problema algum.

Duelo de gigantes

O embate entre Amazon e Hachette está chamando a atenção do mercado editorial norte-americano por se tratar de uma discussão de gente grande. De um lado está a editora de muitos best-sellers, de outro, uma das maiores varejistas online do mundo. Ambas têm muito a perder caso não cheguem a um acordo, mas também podem existir perfeitamente sem darem as mãos.

O confronto tornou-se público quando a Amazon removeu das listagens livros como o da autora de Harry Potter ou do jornalista Brad Stone, que conta a história por trás da fundação da própria loja online. A empresa foi rapidamente acusada de estar chantageando a editora com tais atos, coro que foi engrossado por uma série de outras publicadoras e escritores espalhados pelo mundo.

O combate continua. Enquanto a situação não é resolvida, a Amazon informa que está suspendendo as pré-vendas de livros da Hachette e adquirindo estoques menores do que o previsto, de forma a garantir a comodidade de seus clientes ao mesmo tempo em que gera uma certa pressão sobre as partes envolvidas na negociação.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.