Amazon compra Double Helix, estúdio de jogos de Killer Instinct e Strider

Por Redação | 06.02.2014 às 12:12
photo_camera Divulgação

A Amazon pode mesmo estar prestes a entrar no mundo dos videogames. De acordo com o site TechCrunch, a varejista norte-americana adquiriu o estúdio de jogos Double Helix Games, responsável por games recentes como Killer Instinct, exclusivo do Xbox One, e o novo Strider, que chega aos consoles e PCs ainda neste mês.

Fundada em 2007 na Califórnia, a Double Helix é resultado de uma fusão entre as desenvolvedoras The Collective e Shiny Entertainment, e já desenvolveu, além de Strider e Killer Instinct, os jogos Silent Hill: Hoecoming, G. I. Joe: The Rise of Cobra e Lanterna Verde: A Ascenção dos Caçadores Cósmicos – estes dois últimos baseados nos filmes que levam o mesmo nome. O estúdio emprega 75 pessoas que, a partir de agora, se tornam funcionárias da Amazon. Elas continuarão a trabalhar da sede da empresa, em Orange County.

A notícia da compra teria vazado depois que a companhia divulgou um comunicado que está à procura de novos profissionais, e que os interessados devem participar um processo seletivo no próximo dia 13 de fevereiro na cidade de Los Angeles. Em resposta ao TechCrunch, a empresa disse que adquiriu o estúdio de jogos como parte de seu "compromisso contínuo para construir títulos inovadores para os usuários".

Ainda não está claro o que a Amazon pretende fazer, agora que é dona da Double Helix. No entanto, a negociação vem para colocar mais lenha na fogueira dos rumores que apontam a produção de um console Android feito pela varejista. Segundo informações de fontes anônimas ao site VG24/7, a máquina, que ainda não recebeu um codinome, está sendo criada em parceria com a Lab 126, a mesma equipe responsável pelos leitores Kindle.

A plataforma não seria voltada apenas para games, mas sim a uma proposta para unificar todos os serviços da Amazon em uma central de entretenimento capaz de produzir vários conteúdos oferecidos pela empresa, como filmes, músicas, livros e jogos criados exclusivamente para o novo dispositivo – além do catálogo que já existe no Kindle. O dispositivo chegaria ao mercado custando US$ 300 (aproximadamente R$ 640 na cotação atual) e teria um design semelhante ao do PSOne, a versão menor do primeiro PlayStation.

Seja qual for a estratégia da Amazon, ela precisa estar preparada para o mercado de consoles e evitar que seu novo aparelho de entretenimento não seja um fracasso de vendas, como foi o caso do dispositivo open-source Ouya.

Leia também: Amazon pode lançar serviço de TV por assinatura