AWS re:Invent: Amazon lança mais duas novidades para mercado da nuvem

Por Igor Lopes | 14 de Novembro de 2014 às 10h33

* De Las Vegas, EUA

Nesta quinta-feira (14), último dia do AWS re:Invent, a Amazon anunciou mais duas novidades voltadas para o mercado de computação na nuvem: o EC2 Container Service e o AWS Lambda. Estes novos serviços se somam às outras 6 novas soluções mostradas no dia anterior.

Conheça um pouco mais sobre essas duas novidades:

EC2 Container Service

A primeira novidade do dia foi o EC2 Container Service. Assim como o nome da ferramenta sugere, o objetivo aqui é facilitar o gerenciamento, manuseio e distribuição de aplicações nos containeres da Amazon Web Services. Para que isso aconteça, o serviço oferece suporte à tecnologia Docker.

Essa característica em especial permite que centenas de milhares de containeres sejam utilizados na Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) simultaneamente, acrescentando agilidade e praticidade aos trabalhos que precisam ser feitos, já que os comandos levam apenas alguns segundos para serem obedecidos pelo sistema.

Essa novidade resolve um problema um tanto quanto antigo. Os usuários do AWS já podiam armazenar em contêineres, mas era necessário utilizar softwares de terceiros ou desenvolver um programa próprio para conseguir gerenciá-los. Agora, com o EC2 Container Service, esta etapa é eliminada e, por conta do pacote de APIs desenvolvido, o serviço fornece controle e flexibilidade aos clientes.

Um detalhe bastante interessante sobre a utilização do Docker é a integração do EC2 Container Service com a Docker Hub. Com isso, as aplicações podem ser distribuídas e compartilhadas com toda a comunidade de desenvolvedores que trabalha com esta tecnologia – algo que ajuda a evoluir a linguagem.

A novidade já está disponível para clientes AWS.

AWS Lambda

A segunda maior atração desta quinta-feira (14) foi o AWS Lambda, cujo objetivo é facilitar a vida dos programadores durante os seus trabalhos, principalmente quando é necessário testar o que foi feito.

Isso porque o Lambda é um serviço que permite experimentar a resposta de projetos a determinados eventos específicos – ou seja, os produtos são testados em cenários controlados, como a simulação de uma série de defeitos, por exemplo. O diferencial é que a novidade utiliza os recursos do computador em que está hospedada para contornar os problemas.

O tempo de resposta para que isso aconteça é extremamente pequeno, com resultados em questão de segundos, permitindo que sejam interpretados cliques com o mouse, atividades dentro de aplicativos, entre outras ações. O AWS Lambda também permite a utilização de novos recursos de back-end.

Além disso, uma das maiores vantagens do Lambda é a sua velocidade. Com ele, o programador que quiser executar várias rotinas de teste não terá que esperar por uma infinidade de ciclos para poder avaliar os resultados.

A versatilidade também é um dos pontos altos, já que o recurso é capaz de lidar com qualquer tipo de linguagem de programação, sem haver a necessidade do profissional ter que aprender um modo novo de trabalhar apenas para se adequar à ferramenta.

O potencial dessa nova tecnologia é bem grande, pois ela pode mudar a maneira como serviços e produtos para computadores são desenvolvidos. Uma das empresas que deve começar a experimentar o AWS Lambda é a Netflix – o chefe de produção da companhia, Neil Hunt, já disse estar bastante animado com o que ele chamou de “evolução”.

Já há um site oficial do AWS Lambda disponível para que os interessados fiquem por dentro de todas as novidades da ferramenta.

* O jornalista viajou para a AWS re:Invent a convite da AWS

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.