A mágica do Vale do Silício e a evolução empresarial no Brasil

Por Colaborador externo | 13.11.2014 às 17:43

por Alencar Berwanger*

Vivemos um momento que requer ousadia, criatividade e muita iniciativa. Características de quem quer aprender cada vez mais, crescer pessoal e profissionalmente, obter sucesso e, de quebra, contribuir com o sucesso de todos à sua volta. Pode até parecer que isso só é possível com um pouco de mágica, mas estas características pertencem a quem reconhece que evoluir não é apenas uma questão de sorte, mas de planejamento, estudo, constante avaliação e muito comprometimento.

Uma empresa que busca produtividade, competitividade e inovação, vai enfrentar, em determinado momento, a necessidade de incrementar seus negócios. Ao estudar novos modelos, visitar outras empresas e instituições de ensino, conversar com clientes e profissionais de mercado, o empreendedor vai perceber que não basta buscar novas formas de evoluir, é preciso ir além, é preciso entender que apenas atender demandas ou buscar novos talentos não vai impulsionar a empresa rumo à perenidade. Ajuda, mas não resolve.

Visitei muitas empresas no Brasil e no exterior, inclusive no famoso Vale do Silício, berço das maiores empresas de tecnologia do mundo, e analisei ecossistemas de inovação, casos de sucesso, melhores práticas de Corporate Venture e modelos de atuação de Aceleradoras de startups. Então percebi que ousadia e iniciativa não levam a lugar nenhum sem um planejamento muito bem estruturado.

Localizado no coração da Califórnia, numa faixa de aproximadamente 60km do sul de San Francisco até o sul de San Jose, o Vale do Silício é o oásis do empreendedorismo mundial. Lá nasceram Apple, Google, Facebook, Intel, HP, Sales Force, eBay, Evernote, Twitter, Linkedin, Netflix, Yahoo e diversas outras empresas pequenas, médias, grandes e gigantes, B2B, B2C, B2B2C, de hardware, de software, que crescem espantosamente, que são rentáveis ou não, que são vendidas, compradas, fundidas, que fazem IPO, empresas que são líderes e referências em diversas indústrias e mercados globais.

E sabe como esses empreendedores evoluem? Ao desenvolver um novo negócio, eles pensam no impacto global desta ideia, mas iniciam sua atuação localmente. Em seguida, com planejamento e muito investimento de grandes empresários e outras companhias, escalam em alta velocidade. Serão algum dia empresas gigantes? Algumas sim, outras não. Muitas serão absorvidas e outras se transformarão em outros negócios ainda mais inovadores.

A lição que eu tirei dessas visitas? Pensar rápido, entender o mercado e apresentar ofertas flexíveis e inovadoras é essencial, sim. Talvez isso não seja novidade e não gere tanto impacto na sua percepção de evolução no mundo de negócios. O impacto acontece quando você se insere nesse ecossistema e passa a multiplicar seu aprendizado, seu negócio, sua liderança, seu sonho. As barreiras nas empresas, que antes eram sinal de proteção, hoje representam limitação ao crescimento e a necessidade de compartilhar conhecimento é essencial. Mas, como fazer? Abra espaço para que seus colaboradores possam inovar, receba e invista em ideias do mercado, amplie seu leque de possibilidades de lançamento de novas ofertas com programas de empreendedorismo internos e externos. Sonhe grande, planeje e, principalmente, aja. Decidir é importante, sim, mas não é a decisão que transforma um sonho em realidade, é a ação. Por isso, acredite em você e aja. A mágica acontece, você vai ver.

*Alencar Berwanger é diretor de Marketing e Produtos da Senior, uma das maiores desenvolvedoras brasileiras de sistemas de gestão que no dia do Professor lançou um programa inédito de aceleração de startups para ver a mágica acontecer.