5 lições de varejo para sites de comércio eletrônico

Por Luciana Zaramela | 27.08.2012 às 15:50

A tradicional experiência do comércio eletrônico normalmente leva o usuário a procurar, em gigantes do e-commerce ou no próprio Google, por produtos desejados. Depois de fazer a busca, a tendência é optar pelo mais barato, após um comparativo. Ou então, o usuário passa horas em um site de roupas procurando por um modelo que faça seu estilo, até decidir comprar.

Mas o que acontece na verdade é que o e-commerce faz com que o consumidor acabe perdendo aquela agradável sensação de "ir às compras" do mundo real. O mundo virtual priva as pessoas daquela situação sem compromisso de passear no shopping ou em um setor comercial, até esbarrar em um produto legal e decidir levá-lo para casa.

A boa notícia é que muitos destes divertidos aspectos podem ser transferidos para o mundo virtual. Basta seguir algumas dicas oferecidas por Jim Stoneham, CEO da Payvment e desenvolvedor de plataformas de e-commerce do Facebook.

1. Cause emoção nas pessoas

A terapia do varejo está em descobrir novos produtos que nos empolguem e provoquem reações, como sair perguntando ou comentando com nossos amigos. Enquanto muitas marcas já adicionaram um botão semelhante a "Eu quero!" em suas listas de produtos, os dados indicam que tal ação é muito pobre no quesito "entender as reações sociais dos consumidores". Isso ocorre porque o fato de "querer" alguma coisa está normalmente ligado a um processo mais ponderado de compra.

O segredo é ativar as emoções das pessoas, da mesma maneira que elas são ativadas durante a experiência real de ir às compras. E deixar com que os clientes compartilhem suas reações com outras pessoas, de maneira rápida e fácil.

Você pode oferecer ferramentas assim como faz o The Huffington Post. O site coloca, ao lado da maioria dos artigos, botões com diferentes impressões, como "incrível", ou "estranho", ou "importante", para que as pessoas expressem o que sentiram ao ler aquilo, mostrando um interesse social e comentando mais vezes, interagindo mais com outros internautas.

2. Mostre aquilo que é quente no momento

Se você facilitar para que as pessoas expressem seus pontos de vista sobre seus produtos, você também saberá qual é a maior tendência em seu site. Assim, você poderá dar a estes produtos mais "quentes" uma atenção maior, deixando-os mais evidentes.

Ao apresentar os itens da moda, você acaba impulsionando novas compras até mesmo por parte de visitantes casuais. Isso cria um ciclo viral de auto-reforço, levando seus produtos a uma ampla exposição aos clientes em potencial. O modismo é uma arma e tanto, e você pode gerar uma tendência dentro de seu próprio site. É só saber utilizar as ferramentas certas.

3. Não ao carrinho!

Empurrar um carrinho cheio de compras é uma chatice - tanto no mundo real quanto no virtual. As descobertas de novos produtos em social commerce partem, muitas vezes, de um fluxo social, e é tudo muito espontâneo. Na maioria das vezes, você se depara com clientes que compram um produto só, ou seja, não utilizam a internet para riscar os itens de sua lista de compras. Isso é coisa para fazer em supermercado.

Dê mais praticidade aos seus clientes: ao invés de colocá-los para gerenciar um carrinho de compras a todo momento, é melhor permitir que eles efetuem suas compras com um clique só. Carrinho cheio é mais fácil de abandonar.

E se você não concorda, aí vai um exemplo: a iTunes Store é muito bem sucedida com suas vendas online. Você já viu algum carrinho de compras por lá?

4. Valorize os dispositivos móveis

Hoje em dia o mundo transpira mobilidade. E já que as descobertas sociais partem, na maioria das vezes, de um fluxo social, é mais que óbvio que o consumo via aparelhos móveis venha aumentando mais e mais a cada dia. Você sabia que as pessoas estão utilizando o Facebook preferencialmente em seus smartphones e tablets, em vez de usar o computador? É porque é mais prático. E você deveria seguir o exemplo.

Oferecer acesso para dispositivos móveis é um fator indispensável para impulsionar vendas. Mas deve-se levar em consideração um fato importantíssimo: o comportamento dos consumidores que utilizam tablets e smartphones é diferente do de quem usa o computador. Com dispositivos móveis, as pessoas preferem agilidade na navegação, ao invés de ficar horas em frente à tela. Faça com que seu e-commerce ofereça um método espontâneo, divertido e fácil de navegar e comprar.

Um bom exemplo desta abordagem é a página mobile da Amazon. Além de oferece um aplicativo, existem versões mais simples do próprio site, direcionadas aos consumidores que utilizam dispositivos móveis para navegar mais facilmente pela loja virtual.

5. Utilize dados para incrementar suas descobertas

A indústria de propaganda online já é mestre na arte de mirar e acertar o público alvo. Isso porque ela coleta dados a respeito do comportamento das pessoas e do que elas fazem quando estão online.

Uma grande sacada é utilizar o comércio social como fonte para recolher informações e opiniões de clientes sobre seus produtos. Quanto mais as pessoas interagem, mais informações você terá a respeito de seus interesses. Utilize estas informações para colocar os produtos certos em evidência, para impulsionar novas descobertas e vendas.

Vale lembrar que o agrupamento destas opiniões, interesses e gostos pessoais são tão eficientes que vão além do gráfico social. Além de deixar o consumidor mais à vontade para comentar e interagir com outros clientes, esta tática traz muitos resultados positivos. E mais: torna a experiência de compra virtual menos maçante e mais divertida, já que apenas os produtos do interesse do cliente são oferecidos para ele.

E você, utiliza algumas destas táticas em seu site de comércio virtual? Conhece outras que também funcionam bem com seus clientes? Compartilhe suas ideias com a gente aqui nos comentários! Afinal, interação é tudo, não é mesmo?