5 coisas que o jornalismo ainda precisa aprender com o Google Now

Por Colaborador externo | 13 de Julho de 2015 às 17h53

Por Marcelo Volpato*

Não é novidade que o setor da Comunicação passa por transformações nos últimos anos, aceleradas em grande medida pelo advento da internet, das redes sociais e, mais recentemente, dos dispositivos móveis. Câmeras e sensores se espalharam pelas cidades na mesma proporção que smartphones e tablets e, nesse processo de digitalização, ubiquidade e mobilidade parecem adquirir papel central, criando novos fluxos de informação e novas possibilidades de produção, distribuição, interação e consumo de conteúdos.

Reconfigurações também têm acontecido no jornalismo, denunciadas, inclusive, por diversas revistas e cadernos de jornais descontinuados, outros tantos vendidos e aqueles que migraram do impresso para o "digital-only" e, é claro, consequentes demissões que, segundo estimativas, já chegam a 1.084 em pouco mais de três anos.

A principal pergunta que ecoa pelos corredores das redações, sem dúvida, é "para onde vai o jornalismo?". Sabe-se que não faz mais sentido a ideia de um processo de produção noticiosa com base no contexto de séculos passados, mas sim considerar a atuação de algoritmos, de modelos e redes conversacionais e participativos e de dispositivos sensíveis à geolocalização do usuário.

O contexto de atuação imperativa de smartphones tem apontado um novo panorama ao jornalismo ao indicar o crescimento de novos hábitos de leitura. Talvez as tecnologias tenham nos forçado a repensar os padrões e noções do que realmente deve ser considerado conteúdo jornalístico. Segundo dados do Pew Research Center, 74% dos usuários de smartphones usam seus celulares para acessar informações baseadas em sua localização.

Aplicativos como o Google Now têm caminhado no sentido de atender tais demandas e interesses dos usuários pelo conteúdo geolocalizado. Confira alguns deles:

1. Informação Geolocalizada: o que está em jogo é o interesse das pessoas em descobrir e explorar o que os locais reservam para elas. Por meio do GPS do celular, o app consegue identificar a localização do usuário e lhe sugerir conteúdos interessantes nas proximidades;

2. Cards: o aplicativo já sabe que não basta replicar no celular o conteúdo de uma página inteira de revista. Os "cards" são práticos, objetivos e fáceis de serem consumidos;

3. Modelo participativo: é possível encontrar resenhas de filmes ou restaurantes produzidas por outros usuários, gente como a gente;

4. Perfil e interesse: o algoritmo procura (e nem sempre consegue) entender o perfil de conteúdo que o usuário mais se interessa e lhe sugerir notícias e informações que possam ser úteis, como o placar do jogo do seu time, o trânsito até seu próximo compromisso, além de status de voos e de serviços de entrega e delivery;

5. Serviço: nascem novas possibilidades para o jornalismo de serviço. De forma automática, o app exibe o clima de onde o usuário está, as linhas de ônibus que passam no ponto mais próximo e reviews de um restaurante bem ali, mas que ele se quer conhecia.

As possibilidades que a tecnologia traz podem até ser assustadoras, principalmente se consideradas do ponto de vista da segurança e da privacidade. Mas isso é pauta para outra discussão. Além disso, o ponto para qual chamamos atenção centra-se na dimensão das rupturas e consequências que o jornalismo tem passado neste contexto em que máquinas assumem, cada vez mais, o papel do profissional.

*Marcelo Volpato é jornalista, doutorando e mestre em comunicação social pela Universidade Metodista de São Paulo e consultor em comunicação. Atualmente, é diretor da SEVEN PR, agência de comunicação.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.