Entendendo a preferência do usuário através do Antutu, parte 1: tela

Por Pedro Cipoli RSS | em 25.07.2016 às 22h06 - atualizado em 26.07.2016 às 23h59

SAMSUNG GALAXY NOTE 5

O Antutu liberou um relatório com as estatísticas mundiais de participação de smartphones, dividindo aspectos particulares em gráficos próprios. As informações apresentadas ali são elucidativas não somente pelo que dizem, mas também pelas motivações dos usuários. Como se trata de estatísticas, temos que tomar cuidado para não cair no erro "correlação não é causalidade", mas podemos tirar informações importantes sobre como anda a preferência do consumidor.

Ao que tudo indica, esses dados não foram limitados à plataforma Android, ainda que somente aparelhos dessa plataforma liderem a lista. Há uma clara "dominância" da Samsung, que encabeça as quatro primeiras posições do ranking com dados do primeiro semestre de 2016. Isso indica que, apesar de muitos consumidores negarem, ainda há um forte componente de "força de marca". Mesmo depois de vários anos, a Samsung ainda é vista como sinônimo de Android. Pelo menos no segmento top de linha.

LG G5

Ainda assim, não podemos deixar de considerar o posicionamento agressivo de mercado e marketing da empresa. Uma estratégia da Samsung que funciona até hoje – política de preços à parte – é disponibilizar seus aparelhos de forma rápida em todo o mundo. Esse é um dos pontos em que a LG precisa melhorar e muito, e algo que foi repetido com o G5, já que a empresa traz seus tops de linha sempre "atrasados". Este é um dos prováveis motivos do preço cair tanto em tão pouco tempo depois de anunciado um dispositivo (isso quando ela não erra feio, como foi o caso do G5 SE). 

Pois bem, vamos ver o que podemos extrair de informação dos gráficos liberados pelo Antutu.

Tela Full HD é preferência

Segundo a própria análise do Antutu, usuários preferem telas Full HD (1920x1080) em detrimento às telas Quad HD (2560x1440) ou HD (1280x720). Pelo menos tomando como base a distribuição de aparelhos no banco de dados da empresa, que mostra que 65% optam por essa resolução, mais do que as outras duas juntas (totalizando 32% do total). Enquanto isso, a fatia "outros" representa menos do que 3%, onde provavelmente encontramos os modelos de entrada, que trazem resolução sub-720p, e os iPhones não-Plus.

AntutuSerá que se o usuário pudesse escolher entre Full HD e Quad-HD em seus aparelhos essa distribuição ficaria diferente? Mesmo não sendo o caso, o Full HD representa quase 2/3 do total.

Será que a preferência é pelo Full HD? Esse caso parece mais uma escolha dos próprios fabricantes do que do usuário, já que não há opções do mesmo aparelho com as duas resoluções. Os tops de linha tanto da LG quanto da Samsung (aliás, os modelos nas quatro primeiras posições) só trazem opções com tela Quad-HD. De qualquer forma, isso levanta uma questão interessante: se existisse essa opção, como seria a distribuição de resoluções de tela? Será que usuários optariam por resoluções menores?

Muitos fabricantes estacionaram no Full HD, caso da ASUS, que usa 1080p até mesmo no Zenfone 3 Ultra de 6,8 polegadas, da Sony, Xiaomi e grande parte dos fabricantes chineses. Aliás, é interessante questionar onde está o 4K do Xperia Z5 Premium. Pode estar tanto no "outros" quanto no Full HD, já que a tela entra em "modo 4K" somente em algumas situações específicas – e o teste de benchmark do Antutu não é uma delas. 

xperia z5 premiumO Xperia Z5 Premium foi apresentado como o primeiro aparelho do mundo com tela 4K, "pero no mucho", já que habilitava todos os pixels somente em algumas situações específicas. Será que ele entra no gráfico como Full HD ou "outros"?

Juntando os dois parágrafos anteriores, porém, parece que o usuário não está disposto a pagar um valor maior por resoluções mais altas. O Xperia Z5 "normal", por exemplo, possui poucas diferenças em relação ao Z5 Premium, mas a tela com certeza é o seu maior destaque. A configuração de ambos é idêntica, mas mesmo que o primeiro traga uma bateria menor do que o segundo (2.900 mAh contra 3.430 mAh, respectivamente), sua autonomia é maior, segundo os testes padronizados do GSM Arena.

Trazer painel com resolução menor trás benefícios diretos. Em primeiro lugar, desafoga a GPU, que tem menos trabalho para movimentar a quantidade extra de pixels, partindo do princípio de que ambos tenham um DPI que torne impossível diferenciar os pixels individualmente. Além disso, poupa bateria, e talvez essa seja a principal motivação para muitos fabricantes estacionarem no Full HD, o que explicaria a alta porcentagem de participação.

Samsung Galaxy S42013 foi o ano onde o Full HD começou a se popularizar, mas somente no segmento top de linha. Atualmente, boa parte dos smartphones do segmento intermediário já traz essa resolução.

Vale comentar que essa distribuição provavelmente permanecerá mais ou menos constante, tanto pelo Full HD já ser "bom o suficiente" para praticamente qualquer segmento quanto por sua maior adoção diminuir os custos de produção, sendo mais vantajoso para todos os fabricantes, independentemente da tecnologia empregada. Aliás, a tecnologia não é mostrada no gráfico, mas provavelmente o IPS lidera com uma boa margem.

A exceção que imaginamos é o 4K, que começará a ser adotado como padrão para aparelhos habilitados para VR por diversas empresas. De qualquer forma, sua adoção inicial seria bastante reduzida, já que ficaria restrita a aparelhos high-end, sendo provavelmente um nicho com crescimento lento. Enquanto isso, o Full HD provavelmente será o padrão para aparelhos não habilitados para VR, além de levantar dúvidas sobre a "utilidade" do Quad-HD, que transitaria entre um e outro.

Leia mais:

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome