Marketing de proximidade: quando a tecnologia encontra o negócio

Por Colaborador externo | 17 de Setembro de 2014 às 17h00

* Gabriel Brigidi

Imagine-se em um shopping center, em frente a uma vitrine de uma loja de roupas que chamou sua atenção. Ela foi criada por especialistas em apresentação de produtos, visando justamente atrair consumidores ávidos pelas novidades da moda.

Você observa uma calça, imagina se ela combina com blusas que você possui, fica curioso para ter mais informações, saber o preço, e até mesmo ver outras peças parecidas que a loja possui.

Essa experiência, um tanto corriqueira, vem sendo revolucionada com a chegada de novas tecnologias de mobile marketing (uso de tecnologias móveis para ações de marketing). Já é possível, por exemplo, enviar uma mensagem proativa a um cliente que está passando perto da loja para que ele venha conhecer algo do interesse dele. Também é possível enviar mais informações sobre os produtos da vitrine ou de uma estante quando o cliente encontra-se em frente a ela, e ainda permitir que consulte disponibilidade de tamanho em estoque ou reviews sobre o produto. Tudo isso, sem investimentos vultosos e sem o risco da aplicação de tecnologias experimentais.

Em algumas das situações acima, o que permite realizar esse tipo de ação de mobile marketing são os iBeacons.

Beacons são pequenos dispositivos sinalizadores que podem ser posicionados em locais fechados (como uma loja) e que possuem a capacidade de se comunicar com outros dispositivos. iBeacon (com "i") é um dispositivo proprietário da Apple, que se comunica por Bluetooth com smartphones ou tablets com iOS7 e também Android. Existem outros também, como Estimow, Gelo ou Beaconic.

Alguém pode pensar: "ah, mas eu nunca uso o Bluetooth - gasta muita bateria". Bom, pense novamente! A chave para os beacons é o Bluetooth de Baixa Energia, ou BLE, uma evolução da tecnologia, que permite deixar o canal de comunicação sempre ligado, porém sem gastar muita energia. Além disso, beacons podem funcionar até mesmo sem uma conexão com a rede celular da operadora.

Com os beacons, é possível criar estratégias de marketing de proximidade, aumentando o número de visitantes e proporcionando uma experiência interativa e relevante com a marca e com os produtos, além de abrir oportunidades de personalização e instantaneidade nunca antes imaginados. Quem não se lembra das propagandas “sob demanda” com base na leitura de retina óptica mostrada no filme “Minority Report”, com Tom Cruise? Beacons não leem a retina, mas certamente permitem ações imediatas altamente personalizadas.

Em uma era em que contexto e personalização são chaves para a relevância do mobile marketing, a tecnologia evolui e encontra a necessidade de negócio, trazendo inúmeras possibilidades para aumentar o engajamento dos clientes e as taxas de conversão em vendas.

* Gabriel Brigidi é formado em Administração e Computação pela UFRGS e é Gerente de Negócios da ThoughtWorks, empresa de entrega de software e consultoria de inovação.

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!