Siga o @canaltech no instagram

E-mail é 40 vezes mais eficiente que Facebook e Twitter, revela pesquisa

Por Redação | 21 de Janeiro de 2014 às 10h00
Tudo sobre

Twitter

Saiba tudo sobre Twitter

Ver mais

Esqueça os anúncios patrocinados do Facebook ou publicações pagas feitas no Twitter em busca de novos usuários, clientes ou consumidores para marcas e produtos. Segundo uma pesquisa realizada pela McKinsey & Co., o e-mail tem eficácia 40 vezes superior a todas aquelas contas que se faz de seguidores no Twitter e curtidas e compartilhamentos do Facebook juntas.

"Se você se pergunta por que os departamentos de marketing e publicidade das empresas enviam mais e mais e-mails para você, essa é a resposta: porque funciona", diz a McKinsey no relatório.

Para o portal estadunidense Enterpreneur, a vantagem do e-mail é que, ao contrário das redes sociais que misturam publicidade a momentos em família, ele é direto e anuncia seu principal objetivo: conquistá-lo como cliente. Já para o site Hotelmarketing, a razão é mais simples do que aparenta: 91% dos consumidores estadunidenses utilizam o e-mail diariamente. Além disso, "são essas pessoas, que compram a partir de um mailmarketing, que não só compram três vezes mais que um consumidor vindo das mídias sociais, mas também gastam 17% a mais que os outros".

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Segundo o Technorati, o segredo da coisa toda está na pesquisa, personalização e envio da mensagem às pessoas certas. A Williams-Sonoma, loja online especializada em utensílios domesticos, por exemplo, anunciou um aumento de 10% na taxa de visitantes que clicaram em algum link dos e-mails enviados pela empresa. Segundo eles, o resultado positivo foi obtido após a companhia investir na personalização das mensagens, que passarão a ser baseadas na navegação do cliente no site e nas preferências apontadas por ele no catálogo da loja.

Embora surpreenda, a pesquisa também revela que entre os anos de 2008 e 2012 o e-mail perdeu 20% do seu público para as "redes sociais, mensagens instantâneas e SMS". O declínio, no entanto, não é compartilhado pela quantidade de e-mails que são trocados anualmente. Somente em 2013, 838 bilhões de mensagens foram enviadas nos EUA.

Aparentemente não deixaremos de nos comunicar – nem de receber ofertas e propagandas – por e-mail tão cedo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.