Funcionários da IBM que utilizam Macs pedem menos ajuda ao suporte técnico

Por Redação | 19 de Outubro de 2015 às 09h46

A IBM, a principal empresa responsável pela concepção disso que chamamos hoje de PC (ou computador pessoal, em bom português), passou a trabalhar com Macs entre seus funcionários a partir de junho deste ano. E, ao que tudo indica, a mudança pode ter surtido alguns efeitos bastante positivos.

Durante um painel na JAMF Nation User Conference, realizada em Minneapolis, Estados Unidos, o representante da IBM Fletcher Previn contou um fato bastante curioso. A quantidade de funcionários equipados com o computador da Apple que solicitam auxílio ao help desk é bem pequena, de apenas 5%.

Para se ter ideia da dimensão disso, do outro lado, 40% dos trabalhadores da IBM equipados com Windows precisam recorrer ao suporte técnico de vez em quando. Atualmente, a IBM está inserindo cerca de 1,9 mil novos Macs por semana dentro da companhia — ao todo, já são 130 mil dispositivos, entre portáteis e não portáteis, fornecidos pela Apple.

E como os gadgets da Apple possuem um setor específico de suporte técnico, a manutenção em todas essas máquinas é realizada por uma equipe bem pequena de apenas 24 funcionários.

Praticidade e segurança

Os números provam que, ao menos dentro da IBM, a adoção dos Macs tem surtido um efeito bastante positivo. De acordo com Previn, isso prova que a opção pelos computadores da empresa criada por Steve Jobs e Steve Wozniak foi acertada.

O processo interno para isso permite que um funcionário receba um Mac totalmente novo, o qual pode ser rapidamente configurado de forma personalizada e segura, com a instalação de aplicativos aprovados pela equipe de tecnologia da informação (TI). Tudo isso se dá por meio de programas de aquisição, distribuição e configuração de dispositivos da Apple, como o Device Enrollment Program, da própria Maçã, e do Casper Suite, da JAMF Software.

Assim, a equipe de TI pode agir de forma mais incisiva na hora de auxiliar um funcionário a configurar a sua máquina. Durante a conferência, Previn usou a instalação do pacote Office como exemplo: com o auxílio do Self Service (da JAMF), o trabalhador clica sobre o ícone de instalação e o profissional de TI pode aplicar as licenças de uso à distância e em segundo plano.

Benefício a longo prazo

Você leu aqui no Canaltech uma reflexão bem interessante que pondera a necessidade sobre adquirir um Mac, especialmente agora depois que a Apple fez ajustes bastante salgados nos preços praticados no Brasil. Na IBM, porém, isso não é um problema.

De acordo com Previn, como um Mac demanda menos esforço para configuração, gerenciamento e manutenção, o alto investimento inicial é recompensado no longo prazo. “Cada Mac que nós compramos faz com que a IBM poupe dinheiro”, comentou o executivo.

Lógico que as necessidades de uma companhia como a IBM em relação a robustez e a praticidade de um sistema operacional são bem diferentes das de uma pessoa comum, que quer uma máquina para jogar, trabalhar e acessar a internet. De qualquer maneira, a reflexão é válida quando pensamos no ambiente macro.

Antigas rivais, a Maçã e a Big Blue anunciaram uma parceria no último ano que pegou o mundo de surpresa e, desde então, elas já anunciaram inúmeros esforços em conjunto, como projetos educacionais e corporativos.

Neste ano, já havia a previsão de que a IBM se tornasse uma das principais clientes da Apple, o que vai se concretizando aos poucos. A companhia planeja adquirir 50 mil MacBooks para os seus funcionários até o final de 2015 e, no futuro, espera ter entre 150 mil e 200 mil computadores da Apple entre os seus trabalhadores.

Fonte: Yahoo! Finance, Apple Insider